Casagrande entrega pedido de impeachment de Bolsonaro para Rodrigo Maia

Por RCCP

Ex-jogador e comentarista da TV Globo, Walter Casagrande, critico do presidente da República nas redes sociais, entrega nesta terça-feira, junto com movimentos sociais e artistas renomados como Chico Buarque, um pedido de impeachment de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A informação foi divulgada pela ‘Folha de S. Paulo’ e a matéria do site Isto É.

– As políticas de saúde foram severamente afetadas pela atuação criminosa de Jair Bolsonaro. Além da desarticulação do Sistema Único de Saúde (SUS), que já vinha sendo posta em prática no primeiro ano de gestão, a pandemia da Covid-19 escancarou o desprezo do atual governo pela proteção à saúde da população – diz trecho do texto que será enviado ao presidente Rodrigo Maia.

Além de Casagrande, o documento conta com a adesão de personalidades renomadas como o cantor Chico Buarque, o economista Bresser-Pereira e o padre Júlio Lancellotti. Também assinam o documento entidades como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento Negro Unificado (MNU), a União Nacional dos Estudantes (UNE), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e a Associação e Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD).

Casagrande pelo Corinthians:

Walter Casagrande Júnior mais conhecido como Casagrande ou simplesmente Casão (São Paulo, 15 de abril de 1963) é um ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante. Atualmente, trabalha como comentarista de futebol pela Rede Globo.

Revelado no Corinthians, Casagrande iniciou sua carreira em 1980. Porém, logo após ter se profissionalizado, o jogador, aos 18 anos, teve um desentendimento com Oswaldo Brandão, então técnico do Corinthians. Por esse motivo, Casagrande foi cedido à Caldense, de Poços de Caldas. O ex-zagueiro do Corinthians na década de 1960 Ditão era um grande amigo da família de Casagrande.

Retornou ao Corinthians em 1982, quando fez parte da Democracia Corintiana, movimento que dizia respeito tanto ao esporte quanto à política. Os jogadores se revoltaram e começaram a fazer uma rebelião no estadio. Durante esta época, Casagrande viveu a melhor fase de sua carreira, jogando ao lado de craques como, Zenon, Biro-Biro e Sócrates.

Em 1984, foi emprestado ao São Paulo após desagradar ao técnico Jorge Vieira por causa de sua boemia. No São Paulo, Casão — apelido pelo qual ficou conhecido — teve de jogar improvisado na meia-direta, uma vez que o tricolor já contava com Careca. Sua passagem pelo Morumbi foi boa, porém, um ano mais tarde, já estava de volta ao Corinthians.

Casagrande foi convocado por Telê Santana para integrar a Seleção Brasileira que se preparava para a disputa da Copa do Mundo de 1986. Mesmo com seu histórico de problemas disciplinares no Corinthians, o rigoroso técnico da Seleção, que já havia vetado Renato Gaúcho, confirmou o nome de Casão na delegação que viajou ao México. No entanto, o jogador teve de se contentar em ficar na reserva de Careca e Müller.

Casagrande deixou o Corinthians com 256 jogos e 103 gols, além de conquistar sete títulos.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *