Diário da Quarentena-Oportunismo Bandido!

Por Caco Schmitt

Jornalista, roteirista e diretor. Trabalhou na TV Cultura/SP como diretor e chefe da pauta do jornalismo; diretor na Agência Carta Maior/SP e na Produtora Argumento/SP. Editor de texto no Fantástico, TV Globo/SP. Repórter em vários jornais de Porto Alegre, São Paulo e Brasília.

Entramos na fase do Cada-Um-Por-Si da pandemia no Brasil! Todos os argumentos para flexibilizar ou manter o distanciamento social estão valendo, se cruzando e, logo, vão acabar em pancadaria nas esquinas. Todo mundo tem razão; ninguém tem razão. E o oportunismo bandido corre solto. Em Porto Alegre, a síntese. Depois de muita pressão, hoje a Prefeitura liberou as partidas de futebol, as finais do Gauchão. As razões para a negativa anterior eram até lógicas: o exemplo! O prefeito argumentava que sinalizava para os demais setores. “Em respeito ao pessoal da Saúde”, dizia Nelson Marchezan Júnior. O que ele iria dizer para o comerciante que está com a loja fechada, se liberasse a atividade futebol? Pois bem, à tarde ele liberou jogos na Arena do Grêmio e no Beira-Rio e não demorou cinco minutos para a Federasul (Federação das Entidades Empresariais do RS), que estrategicamente defendia a liberação dos jogos em Porto Alegre, pedir tratamento igual para os demais setores. Agora o comercio diz: Se pode jogar futebol, podemos abrir as lojinhas e as academias…

Não importa que as UTIs sigam lotadas, as mortes e o número de casos batendo recordes, é Cada-Um-Por-Si! O comércio agora força ainda mais a abertura, garantindo que pode ter os mesmos “protocolos” sanitários que a dupla GreNal, como se fossem capaz de testar todos os clientes. Sequer testam os funcionários e mal botam o termômetro e algumas gotas de álcool gel nos fregueses. Eles sabem que ao abrir todas as lojas, os funcionários irão disputar espaço e vírus nos já lotados ônibus e trens, os grandes condutores da pandemia com a conivência do poder público. Um absurdo em todo o país que chego a pensar que existe uma máfia no setor de transportes com poder de mandar nos governantes. Mas isso tanto faz, ninguém está, realmente, preocupado com a segurança dos trabalhadores desde que eles cheguem para o serviço no horário. É o pensamento de matadouro dos frigoríficos fazendo escola: contaminam trabalhadores e afirmam que a culpa não é deles. Já chegam contaminados… Mesma linha do oportunismo bandido de prefeitos que querem abrir suas cidades, mesmo sem um leito de UTI, porque se os munícipes se infectarem, mandam de ambulância para os centros maiores. Afinal, já estão acostumados.

O Brasil vive uma terrível pandemia que está chegando a três milhões de contaminados e 100 mil mortes, o Rio Grande está no pior momento de internações e de mortes, e Porto Alegre tem dez vezes mais mortes que o Uruguai, país que lamenta 35 vítimas fatais, mas vai ter GreNal. E como o País tem um presidente que insiste em dizer que “vai morrer mais gente porque é da vida”; como o País não tem um ministro da Saúde e sim um militar incompetente mandado pelo psicopata da presidência; a ordem é: Cada-Um-Por-Si. Tem muito bandido oportunista nas ruas, então, sigamos no distanciamento social e torcendo pra vacina chegar o quanto antes!

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *