“Eleição Presidencial 2018 foi fraudada”, disse gerente do Whatsappp

Gerente do Whatsapp admite que eleição brasileira foi fraudada por envio massivo de mensagens

By Carta Campinas
Compartilhado por Central de Jornalismo

Um gerente do WhatsApp admitiu pela primeira vez que a eleição brasileira de 2018 teve o uso em massa de mensagens contratada por empresas privadas em favor de um dos candidatos, o que significa dizer que a eleição foi fraudada por contratação de serviço ilegal.

“Na eleição brasileira de 2018 houve a atuação de empresas fornecedoras de envios massivos de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas”, afirmou Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais do aplicativo WhatsApp.

A declaração aconteceu, em palestra no Festival Gabo, como informa reportagem do jornal Folha de S.Paulo. O Festival Gabo é um evento que acontece em Medelim na Colômbia para jornalistas e qualquer cidadão. Criado em homenagem ao escritor Gabriel García Márquez , o festival tem uma série de debates, principalmente relacionados à imprensa.

As fraudes do Whatsapp na eleição de 2018 não são novidades. Em junho, o espanhol Luis Novoa, dono da Enviawhatsapps, confirmou que empresários brasileiros contrataram programa de sua agência para fazer disparos de mensagens em massa, pelo Whatsapp, em favor do então candidato Jair Bolsonaro (PSL) durante a campanha eleitoral de 2018. Em gravação obtida pelo jornal Folha de S.Paulo, Novoa afirma que só foi descobrir do uso político quando algumas linhas telefônicas utilizadas passaram a ser cortadas pelo aplicativo de mensagens.

Segundo a reportagem, “empresas, açougues, lavadoras de carros e fábricas” brasileiras contrataram os serviços de Novoa. Até então, ele disse achar normal, pois muitas empresas utilizam os disparos pelo Whatsapp para fazer marketing comercial.

A legislação veta que empresas façam campanha para candidatos, inclusive desde 2016 é proibido o financiamento de empresas, além disso o TSE veta o uso de ferramentas de automatização, como os softwares de disparo em massa.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *