“Bolsonaro é inimigo número 1 da educação”-Glauber Braga

MEC deve cortar R$ 1,4 bi de verba de universidades e institutos em 2021

Por Glauber Braga
Compartilhado por Central de Jornalismo

Não tem jeito! Entra ministro, sai ministro e a lógica de Bolsonaro é sempre a mesma: cortar recursos da educação e estrangular Universidades e Institutos e Colégios Federais pelo Brasil afora.

Em meados do ano passado, o então ministro Weintraub insistiu em reduzir recursos dessas instituições. Mas a mobilização de professores, professoras, profissionais de educação, estudantes e aqueles que defendem a educação pública fez com que o governo recuasse.

Com essa nova ameaça de redução de recursos, uma nova mobilização se faz necessária! Precisamos mobilizar todos e todas para barrar mais esse ataque de Bolsonaro contra e educação.

Veja ainda>>>

Por Luciana Amaral
UOL Brasilia

O Ministério da Educação vai cortar parte do orçamento de despesas discricionárias de universidades e institutos federais em 2021 em comparação com 2020. O valor deve chegar a R$ 1,4 bilhão, segundo informaram a pasta e o Conif (Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica). O montante representa 18,2% de corte nos gastos discricionários em cada setor. No caso das universidades federais, a redução significará R$ 1 bilhão, aproximadamente, no ano que vem, segundo o Ministério da Educação. O corte também foi confirmado pela Andifes (Associação Nacional das Instituições Federais de Ensino Superior).

Os gastos discricionários são aqueles sobre os quais o governo tem certo grau de poder de decisão e maleabilidade. No geral, destinam-se a custeio, investimentos e assistência estudantil. De acordo com o Conif, para a rede de 38 institutos federais no país, que conta ainda com um colégio e dois centros de educação tecnológica, os 18,2% representam menos R$ 434,3 milhões na proposta do orçamento discricionário em comparação com o ano passado.

Os cortes devem constar no Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2021, proposta de Orçamento da União elaborada pelo governo federal e enviada ao Congresso Nacional para análise. A informação foi repassada pela pasta nesta semana às entidades. Os valores finais podem mudar no Parlamento. O orçamento discricionário do Ministério da Educação também deverá sofrer no ano que vem um corte de 18,2% frente à LOA 2020 (Lei Orçamentária Anual), sem emendas, o que representa cerca de R$ 4,2 bilhões. O mesmo percentual de corte será repassado às universidades e aos institutos, disse a pasta.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *