Desesperado, Dallagnol faz “textão” no Twitter contra seu afastamento da Lava Jato

Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) já teria maioria formada para afastar o coordenador da força-tarefa; Fux, do STF, no entanto, travou julgamento

Foto: Reprodução/YouTube
Por Ivan Longo/Revista Forum

O coordenador da Lava Jato em Curitiba, procurador Deltan Dallagnol, mostrou certo desespero, nesta segunda-feira (17), ao divulgar um “textão” no Twitter contra a possibilidade de ser afastado da operação.

Isso porque o julgamento do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que pode afastá-lo da Lava Jato está previsto para acontecer nesta terça-feira (18) e, de acordo com um dos integrantes do Conselho, já há maioria formada contra Dallagnol.

“Após 6 anos de Lava Jato, eu jamais fui punido ou sequer foi instaurado processo disciplinar por meus atos em investigações e processos, analisados com lupa pela Justiça e sociedade”, escreveu em meio a uma sequência de tuítes.

“O que está em jogo não é apenas o meu futuro ou o da Lava Jato. O exemplo que vai ficar será um recado para o futuro de promotores e procuradores. Eles poderão trabalhar contra a corrupção de modo combativo como trabalhei, sem medo de sofrerem retaliações?”, completou.

O julgamento do CNMP atende a duas ações contra Dallagnol: uma apresentada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) e outra apresentada pela senadora Kátia Abreu (PP-TO).

Renan acusa o procurador de ter atuado politicamente contra sua eleição para a presidência do Senado, em 2019, enquanto Kátia Abreu aponta irregularidades na tentativa de criação de uma fundação por Dallagnol para receber R$ 2,5 bi que foram pagos pela Petrobras em processo nos EUA. O caso envolveu toda uma negociata do procurador diretamente com autoridades dos EUA, como revelou reportagem da Vaza Jato.

Fux trava julgamento no CNMP

Segundo a coluna Radar, da revista Veja, o ministro do STF, Luiz Fux, atendeu parcialmente a um pedido de Dallagnol e determinou que o CNMP “se abstenha de considerar a penalidade aplicada” contra o procurador no julgamento desta terça-feira.

Com a decisão, o órgão terá que deve aguardar o julgamento da ação no STF para poder tomar medidas mais duras contra o procurador.

De acordo com Fux, a iminência do julgamento “nos quais eventuais condenações poderão vir a ser agravadas pela vigência da penalidade objeto a presente ação, revela a existência de periculum in mora, apto a ensejar a concessão de tutela provisória de urgência na espécie, na medida em que eventual aplicação de penalidade indevidamente agravada poderá gerar situação impassível de reversão ao status quo anterior”.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *