The Guardian: A tentativa de Bolsonaro de calar pergunta de Jornalista sai pela culatra

Depois que o presidente brasileiro ameaça dar soco em jornalista pelas perguntas sobre as transações financeiras da família, jornalistas inundam as redes sociais com a mesma pergunta.

Por The Guardian/Tom Phillips correspondente na América Latina
Compartilhado por Central de Jornalismo

Jair Bolsonaro ameaçou um repórter no domingo quando pediu ao presidente que explicasse por que um ex-policial com supostas ligações com a máfia (milícia) do Rio depositou milhares de reais na conta bancária de sua esposa.

O líder brasileiro com experiência em mídia social está enfrentando talvez a reação online mais severa de sua presidência depois de tentar, sem sucesso, apagar perguntas sobre as transações financeiras de sua família, avisando um jornalista que ele queria “quebrar sua cara”.

Jair Bolsonaro fez a ameaça no domingo, depois que um repórter de um dos principais jornais do Brasil lhe pediu para explicar por que um ex-policial com supostas ligações com a máfia(milícia) do Rio havia pago milhares de reais na conta bancária de sua esposa, Michelle Bolsonaro.

“Bolsonaro diz ao jornalista que gostaria de ‘quebrar sua cara’ por causa da pergunta sobre as já sabidas transações financeiras”

Mas o comentário ameaçador rapidamente saiu pela culatra, pois os jornalistas brasileiros inundaram as redes sociais com a mesma pergunta
“Presidente Jair Bolsonaro, por que sua esposa Michelle recebeu 89 mil reais de Fabrício Queiroz?” eles tuitaram em uníssono para o líder de extrema direita do Brasil.

Fabio Malini, um pesquisador de mídia social que está acompanhando a reação, disse que centenas de milhares de usuários de internet rapidamente aderiram ao contra-ataque contra o Bolsonaro.

No final do domingo, ele identificou mais de 1,1 milhão de tweets sobre o assunto, com um dilúvio semelhante no Facebook e Instagram. No auge da revolta, cerca de 3.000 comentários eram tuitados a cada minuto.

“Fiquei genuinamente surpreso com a escala disso”, disse Malini, da Universidade Federal do Espírito Santo.

“Sem dúvida foi o momento em que vimos o maior número de pessoas direcionando ataques contra ele [desde que assumiu o poder]. Muitas vezes as pessoas atacam suas idéias. O que aconteceu ontem é que ele foi diretamente questionado em suas contas de mídia social … e isso deve preocupá-lo … Era uma situação muito incomum. ”

A revolta pareceu atordoar o exército de líderes de torcida online de Bolsonaro e deixar os administradores de suas redes sociais – onde ele tem mais de 40 milhões de seguidores – lutando para excluir comentários críticos e bloquear as contas dos críticos.

Malini disse que uma das coisas mais impressionantes sobre a rebelião de domingo foi a formação momentânea de uma frente anti-Bolsonaro unida – algo que até agora se mostrou evasivo para os oponentes divididos e ideologicamente diversificados do populista de direita.

As respostas exigentes sobre os misteriosos pagamentos à esposa de Bolsonaro vieram tanto da direita quanto da esquerda: adversários políticos proeminentes, celebridades e cantores, mas também usuários anônimos de mídia social que raramente entraram em tais batalhas.

Bolsonaro tentou retomar o controle da narrativa na segunda-feira, alegando falsamente que jornalistas “plonker” corriam um risco maior de morrer por causa de uma epidemia de coronavírus que ele é acusado de manejo catastroficamente incorreto. Mas esses esforços pareceram fracassar, com os usuários das redes sociais continuando a questionar Bolsonaro sobre os pagamentos à sua esposa.

“As pessoas continuam produzindo e compartilhando a questão. Tornou-se uma espécie de espectro incessante porque ele não tem uma resposta a oferecer ”, disse Malini.

Bolsonaro ‘conduziu o povo brasileiro a um desfiladeiro’, diz o ex-ministro da Saúde
Consulte Mais informação
Com o índice de mortalidade Covid-19 do Brasil de mais de 114.000, agora o segundo maior do mundo, o pesquisador disse acreditar que a insurreição envolve muito mais do que as finanças da família Bolsonaro.

“Houve algo catártico no que aconteceu. Muitas pessoas queriam expressar sua raiva e ressentimento contra este governo e usaram isso como uma espécie de gatilho para expressar sua decepção, desilusão e sua falta de esperança. ”

Relatos de que Queiroz havia pago dinheiro em uma conta mantida por Michelle Bolsonaro surgiram no final de 2018, depois que os investigadores anticorrupção que o investigavam identificaram um pagamento de 24.000 reais (£ 3.285).

Bolsonaro, então presidente eleito, alegou que o depósito era a retribuição de um empréstimo de 40 mil reais que ele havia concedido a Queiroz. Mas nem Bolsonaro nem a primeira-dama comentaram as recentes denúncias de que ela recebeu 89 mil reais de Queiroz e sua esposa.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *