Bateria de nanodiamante pode fornecer energia por até 28 mil anos

Criação ainda é apenas uma prova de conceito, mas, se lançada, pode ajudar a resolver problemas no fornecimento de energia

Por Olhar Digital
Compartilhado por Central de Jornalismo

A empresa californiana NDB desenvolveu um projeto de baterias de nanodiamante que promete ser a evolução no fornecimento de energia. De acordo com os criadores, o projeto deve inverter a equação enérgica, agindo como minúsculos geradores nucleares. Por conta disso, sua duração é extremamente prolongada, variando de uma década a 28 mil anos sem nunca precisar de uma recarga – obviamente, dependendo do tamanho.

Veja também:
Pesquisadores criam bateria sem presença de material tóxico
Motorola lança o Moto G9 com bateria de 5.000 mAh
Inseto robótico consegue andar por duas horas sem nenhuma bateria
iPhone 12 deve usar baterias mais baratas por custos do 5G
Xiaomi explica como carrega bateria de 4.500 mAh em 40 minutos

A criação deve oferecer potências maiores do que as existentes nas baterias de íons de lítio atuais. Além disso, serão quase indestrutíveis e totalmente seguras em casos de acidente. Em algumas aplicações, como de carros elétricos, podem ser significativamente mais baratas do que as disponíveis até então.

O “coração” de cada bateria é um pequeno pedaço de lixo nuclear reciclado. A NDB usa peças de reatores nucleares de grafite que absorvem a radiação para que se tornem radioativas. Caso não fosse tratado, esse resíduo apresentaria um alto grau de perigo – além de ser caro para ser armazenado.

A empresa pega esse grafite, purifica-o e cria pequenos diamantes de carbono-14 que são implementados nos equipamentos. A pedra serve como um semicondutor e um dissipador de calor, coletando a carga e transportando-a para fora.

Para proteger esse núcleo, um diamante carbono-12 foi colocado. Criado em laboratório, essa camada de proteção evita vazamentos de radiação e atua como um item de segurança adicional que é à prova de violação.

Constituição da bateria
Para criar uma célula de bateria, várias camadas desse material de nanodiamante são empilhadas e armazenadas com uma pequena placa de circuito integrado e um pequeno supercapacitor para coletar, armazenar e distribuir instantaneamente a carga.

A empresa disse que sua criação pode ser fabricada em tamanhos personalizados. Inclusive, pode ser dimensionada para o tamanho necessário para veículos elétricos. Caso a vida útil da bateria termine – o que, como dito, pode levar até 28 mil anos –, seus componentes podem ser totalmente reciclados.

shutterstock_1418790563.jpg
Bateria pode ser fabricada em diversos tamanhos, inclusive para carros elétricos. Foto: Paul Craft/ Shutterstock

“O NDB tem potencial de resolver a grande questão global das emissões de carbono de uma só vez sem os caros projetos de infraestrutura, custo de transporte e impactos ambientais de algumas fontes de energia”, disse John Sawe-Taylor, professor da University College London, ao comentar a criação.

“A capacidade de sua tecnologia de fornecer energia por longos períodos sem a necessidade de recarga, reabastecimento ou manutenção os coloca em uma posição ideal para atender às necessidades mundiais de energia”, completa.

Prova de conceito
Apesar de ser um projeto interessante, a criação ainda está em fase bastante inicial, com a primeira prova de conceito terminada recentemente. Apesar disso, a companhia afirma que está pronta para começar a construir seu protótipo comercial assim que os laboratórios reabrirem após o fim da pandemia.

Se a tecnologia der certo, essa pode ser o próximo passo na geração de energia. O projeto desafiaria os fundamentos da maioria das criações modernas. Isso porque cada bateria seria sua própria fonte de energia inesgotável, transformando silenciosamente o lixo nuclear em energia útil.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *