Essa espúria relação entre religião e política no Brasil

Por Paulo José Cunha/Congresso em Foco/UOL
Foto:Fernando Frazão/Agência Brasil
Compartilhado por Central de Jornalismo

A prisão do pastor Everaldo, presidente do PSC, mais uma vez expõe a relação perniciosa e permissiva entre política e religião no Brasil. Se na década de 1930 a ascensão do comunismo via revolução bolchevique de 1917 na Rússia facilitou uma articulação católica em torno do movimento conservador integralista, na atual quadra a relação se institucionalizou.

A atuação ostensiva e eficaz no Congresso da “Bancada da Bíblia”, que reúne católicos e evangélicos, contribuiu decisivamente para a eleição de Bolsonaro.

O apoio a ele foi dado dos próprios púlpitos, fato até então inédito.

No início do século XX, os operários eram estimulados pela Igreja Católica a se manter nos sindicatos para combater a esquerda. As religiões de matriz protestante ainda eram incipientes, e praticamente não tinham expressão no mundo político. Naquela época, foram criados os Círculos Operários Católicos e a Juventude Operária Católica. Mas uma instituição – a Liga Eleitoral Católica – foi quem escancarou os objetivos políticos da Igreja em relação à estrutura e ao funcionamento do governo. A LEC foi criada explicitamente para influenciar na formação dos legislativos nas eleições de 1933, de olho na Constituinte. Teve atuação nacional e funcionou basicamente como filtro ideológico, indicando os candidatos mais perfilados com o conservadorismo moral, como a luta contra o divórcio, e a defesa do ensino religioso.

Estudiosos apontam que Vargas foi eleito com apoio desses grupos e incorporou ao seu governo muitas das suas postulações. Em troca, eles foram beneficiados com a concessão de vários privilégios.

Olhando em retrospectiva, percebe-se que após a era Vargas a influência religiosa só foi aparecer novamente de forma mais explícita em 1964, quando conservadores católicos radicais se uniram para derrubar João Goulart. A “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, até na denominação, remete muito aos jargões atuais, como o slogan bolsonarista “Brasil acima de todos, Deus acima de Tudo”.

Escancarou geral

Se dos anos 1930 aos anos 1960 a influência religiosa, basicamente católica, era feita em bases, digamos, mais aceitáveis e por meio de lobbies legítimos, atualmente a relação religião/governo é praticada em bases abertamente fisiológicas e sem qualquer pudor de natureza ética. Enquanto a igreja católica tem uma atuação mais crítica e por vezes incisiva em relação ao governo Bolsonaro, através de organizações como a CNBB, grupos evangélicos, de mãos dadas com um governante francamente populista, não se envergonham em atuar descaradamente em sentido contrário e em oposição até mesmo ao que preceituam os princípios bíblicos.

O pastor Everaldo, por exemplo, foi preso por organizar uma “caixinha” de propinas que dividia com o Governador do Rio, Wilson Witzel. Não que não existam corruptos entre os católicos. Claro que existem. O padre Robson, da Diocese de Trindade, Goiás, por exemplo, está sendo investigado por comprar fazendas e casas de praia, tudo com dinheiro oriundo do dízimo. Não consta que tenha tido atuação político-partidária, apesar de grupos católicos autônomos, espalhados pelo país, anunciarem publicamente apoio a Bolsonaro, mesmo contra a orientação da CNBB.

O dízimo que constrói fortunas

Mas o que vem chamando a atenção nos últimos anos é a desfaçatez com que pastores evangélicos exibem fortunas pessoais estrondosas. Segundo a revista Forbes, o Bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, com uma fortuna pessoal de 2 bilhões de reais, lidera o ranking, que ainda envolve Valdemiro Santiago e Silas Malafaia, entre outros. Sob o manto protetor da liberdade religiosa assegurada pela Constituição Federal, pastores de igrejas caça-níqueis espalhadas por todo o país não se ruborizam em vender objetos milagrosos e incentivar o pagamento de dízimo principalmente pelos mais humildes. Como a gerência desses recursos não é auditada nem as igrejas precisam comprovar a origem, há denúncias de que muitas delas funcionam como lavanderias de dinheiro. O catolicismo vem perdendo espaço no Brasil justamente porque ainda mantém a visão conservadora e estóica em relação aos bens terrenos. Enquanto os pentecostais, por exemplo, trabalham na perspectiva de uma “teologia da prosperidade”, o que os exime de evitar a ostentação e os números estratosféricos de suas contas pessoais, vistas como sinais da interferência divina.

Como a relação espúria e o apoio a Bolsonaro lhes garante atuação livre de qualquer controle, muitos desses líderes religiosos não só se servem dessa complacência como se orgulham de gozar da intimidade do capitão-presidente. E não se envergonham de oferecer apoio explícito aos políticos conservadores mais criticados. Há fotos de Malafaia, por exemplo, ao lado de Eduardo Cunha, Temer e Bolsonaro, para ficar num exemplo. E a imagem do pastor Everaldo batizando Bolsonaro nas águas do rio Jordão, em Jerusalém, corre pelas redes sociais. Com uma bancada sólida, aliada a outros setores conservadores como as bancadas da Bala (militares e policiais) e do Boi (ruralistas), atualmente os evangélicos dão as cartas e cada vez mais definem os rumos do atual governo.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *