Diário da Quarentena-Urgente: Vacina em Janeiro no Brasil só com pressão da sociedade

Por Caco Schmitt

Jornalista, roteirista e diretor. Trabalhou na TV Cultura/SP como diretor e chefe da pauta do jornalismo; diretor na Agência Carta Maior/SP e na Produtora Argumento/SP. Editor de texto no Fantástico, TV Globo/SP. Repórter em vários jornais de Porto Alegre, São Paulo e Brasília.

Dia 259

Não resta mais alternativa: temos que pressionar de todas as formas o governo, Congresso, poder judiciário pra termos vacina no começo de 2021. É arriscado esperar por esse governo homicida e incompetente. Hoje, dia em que a Inglaterra anuncia a aprovação emergencial da primeira vacina contra covid-19, da Pfizer BioNTech, aqui no Brasil o general-de-logística-ministro-da-Saúde enrola, mente porque seu chefe só quer saber de cloroquina, e deixa claro que o Ministério da Saúde não tem um plano verdadeiro de vacinação em nível nacional. O país está à deriva! Temos que passar por cima dessa vergonhosa submissão do general da Saúde ao capitão: um manda e outro obedece, não esqueçam. Em um país civilizado, tanto o capitão mandante como o general covarde e submisso já estariam longe de seus cargos…
Em questão de minutos, a mentira do general ministro da Saúde foi exposta ao país. Depois de dar explicações ao Congresso sobre os testes que estão perdendo a validade por sua incompetência, o general teve a cara de pau de dizer que tem conversado com as farmacêuticas, mas, na hora do cronograma de entrega das vacinas, “os números são pífios”. A mentira não se sustentou 15 minutos porque a CNN Brasil entrevistou o diretor de vacinas da Pfizer para o Brasil, Alejandro Lizarraga, e ele disse que já submeteu o pedido de aprovação emergencial da vacina da Pfizer, ofereceu ajuda na logística para entregar as vacinas em caixas com gelo seco que armazenam por 15 dias, e, o que é melhor, pode começar a entregar as doses nos pontos de vacinação no começo de janeiro de 2021, se houver acordo de compra antecipada. “Pelo acordo de confidencialidade eu não posso compartilhar a data, mas é uma questão de dias ou, talvez, de semanas, diz Alejandro.
Segundo Alejandro, outros países da América Latina estão fazendo acordos de compra da vacina, com pacote completo, ou seja, ajuda na distribuição e armazenagem nos pontos de vacinação, mas aqui o especialista em logística não encomendou sequer as seringas necessárias, conforme desmentiram ontem os representantes da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO), dizendo que não existe pedido algum oficial. Os fabricantes estão preocupados porque as empresas não têm matéria-prima, e o processo pode levar mais de dois a três meses. Enquanto isso, as mortes voltam a passar de 500 por dia… O diretor de vacinas da Pfizer disse que a cada dia que passa diminui o número de doses disponíveis porque outros países estão fechando compras. O Brasil tem poucos dias para decidir se compra ou não.
O alerta foi dado agora à tarde, então a sociedade tem que agir rápido, pressionar via sindicatos, associação de moradores, parlamentares, individualmente. Se quisermos começar a vacinar no raiar de 2021 teremos mais uma luta pela frente, do contrário: 2020 entrará 2021 adentro!

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *