Diário da Quarentena-Eu dou bola pra vida

Por Caco Schmitt

Jornalista, roteirista e diretor. Trabalhou na TV Cultura/SP como diretor e chefe da pauta do jornalismo; diretor na Agência Carta Maior/SP e na Produtora Argumento/SP. Editor de texto no Fantástico, TV Globo/SP. Repórter em vários jornais de Porto Alegre, São Paulo e Brasília.

Dia 283

Estamos vivendo o momento mais delicado da pandemia no Brasil. Estudos e estatísticas revelam que a possibilidade de um acidente de trânsito aumenta quando estamos perto de casa. Logo ao sair, a gente ainda está se adaptando ao trânsito e, só depois de um tempo fica mais atento ao movimento dos outros veículos, Depois, segue firme. E quando se aproxima da casa, no retorno, ou aceleramos sem perceber pra chegar logo, ou relaxamos e reduzimos o nível de atenção, o que também pode ocasionar acidentes. Portanto, agora que está terminando o fatídico ano de 2020, agora que mais de 20 países começam a vacinar contra a covid-19, não podemos descuidar! Estamos voltando de uma longa, cansativa e angustiante viagem, todo cuidado é pouco. Vamos dirigir com muita cautela, com cuidados extremos, sem relaxar, sem nos esquecermos de tudo que nos fez chegar aqui vivos e sem sequelas.
Mas o que está acontecendo é uma insanidade geral comandada pelo psicopata na presidência. Hoje, ao ser questionado sobre o atraso do Brasil em relação a vários países que já começaram a vacinação contra a covid-19, disse: “não dou bola pra isso”. Até aí nenhum novidade porque desde o começo ele não deu bola pra pandemia e é o principal responsável pelas quase 200 mil mortes de brasileiros. Acontece que se o presidente não dá bola, os governadores não dão bola para o governo federal. O Supremo Tribunal Federal não dá bola para o povo e quer vergonhosamente furar a fila da vacina. Os prefeitos do Rio Grande do Sul não dão bola para a bandeira preta, adotam suas próprias regras, e fica por isso mesmo. Os prefeitos paulistas não dão bola para a bandeira vermelha e cada um faz do seu jeito no litoral sul e no litoral norte. O povo, por sua vez, não dá mais bola pra nenhuma lei, nenhuma recomendação, pois inexiste pena, e é cada um por si. Ninguém dá bola pra mais nada no Brasil, é um carro acelerando no final da viagem… O caos fez mestrado ao longo dos meses e, agora que estamos chegando perto de casa, ele completa o doutorado em insanidade com louvor!
Eu sigo dirigindo com cautela e redobrando os cuidados porque, queiram ou não as “autoridades”, a vacina vai chegar e vamos nos imunizar contra a covid-19. Eu dou bola pra minha vida e pra vida dos outros e seguirei assim até concluir a viagem. Depois a gente vê o que vai fazer com os maus motoristas…

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *