Suicídio: Vivencias passadas e experiencias do presente

Por
Nilda Belo de Morais
                                                                                                         Carolina Satin Cótica

 

Ouvir familiares relatando o suicídio da tia, não poder ouvir certa musica, ou alguém da família mudar a estação da rádio eram acontecimentos diários para não despertar a memória dos avós, seus sentimentos, a saudade ou culpa diante do acontecido.

O que se passava na cabeça de uma criança de sete anos, procurando recriar a cena de uma jovem senhora sustentada por uma corda no pescoço, pendurada na árvore mais linda daquela região e o lugar preferido para os que frequentam o córrego daquele local?

 

A árvore com o galho esticado para a direção do córrego não era somente pra subir e pular na água cristalina? Mas, dessa vez, você serviu para firmar o corpo dela, difícil compreensão essa minha. Quando pedi bem baixinho, quase sem voz para te conhecer árvore…Confesso que pensei em mil coisas. Admirei sua beleza, sua robustez, suas folhagens verdes. Mas odiei seu galho que sustentou o peso do corpo da minha tia, fechei meus olhos bem forte e imaginei um raio caindo bem naquele galho, cheguei até enxergar ele todo queimado e as cinzas caindo no rio. Quando abri os olhos você estava intacta, odiei por fazer minha família chorar, entristecer, rasgar a alma no silencio da dor.

Ninguém falava nada a respeito dessa tragédia, mas a alma de cada um gritava, gemia e percebia-se tudo isso, no silêncio do olhar de cada um. Olhei para você árvore e planejei sua morte de mil formas, assim não serviria de apoio para mais nenhum suicídio.

Tem muitos assuntos que você desconhece árvore, mas hoje vou te contar alguns, porque pensava e procurava entender o que você tinha feito, ou faz de alguma forma. Você não sabe árvore como foi difícil, dolorido, angustiante passar parte da infância e adolescência tirando a corda da mão da mãe para ela não chegar até uma de suas irmãs e fazer a mesma coisa. Ver essas cenas dilacerava minha alma, me fazia perder o fôlego, a dor no peito às vezes era quase insuportável. Gritava, implorava e fazia muita força para ela soltar a corda. Mas, olhei para você árvore. Quando fui no córrego te olhei firme e te disse em pensamento que você não ia fazer isso com minha mãe, lembra? Era uma batalha travada, febre psicológica de quase quarenta graus, noites sem dormir, o estômago doía, não tinha apetite, mas tinha que ficar observando.

Deixa-te falar árvore dos momentos angustiantes o saquinho de veneno preso na boca e segurando com ambas as mãos no arame farpado, e esperando ela se cansar e desistir, olhar para as mãozinhas furadas sangrando e inchadas, e esconder por vários dias dos colegas e dos professores, e ficar torcendo para que ninguém descobrisse o que acontecia na minha casa, eu não queria perder minha mãe. Mas, de alguma forma ela foi atingida por você árvore, estou falando do irmão dela, não foi você diretamente, foi a mesma marca do veneno que tirei das mãos dela, só que na versão liquida, foi um dos piores dias da nossa vida, vê-la daquele jeito, desesperada, gritando e chamando pelo seu irmão preferido, saber que todos ali presentes já carregam essa marca de dor, todos dilacerados e mais uma vez passarem pela mesma experiência avassaladora.

Lógico que diante desse pesadelo todo me lembrei de você, creio que a família em si lembrou também. Talvez passando por essas experiências, fizesse-me pensar que, quando a vida perdesse o significado, faria a mesma coisa: pegaria a corda árvore e procuraria uma de suas irmãs. Tinha o veneno também que me acompanhou uns três anos, a mesma marca, mas foi deixado em um posto de saúde para ser descartado de forma correta, e você árvore, aproveitei muito nas proezas da vida, mas, ainda, me encontro com esse seu lado de sustentar o corpo das pessoas em um de seus galhos.

Quando se torna uma acadêmica de psicologia as experiências em relação ao suicídio é vista e compreendida de outras formas, já não são os gritos para alguém largar uma corda ou um frasco de veneno que vai resolver. Percebe-se que não são palavras de juízos como: “deixa de ser fraco e luta por sua vida”, “querer se matar por uma besteira dessa”, “se mata logo e para de dar trabalho”, “você está fazendo isso para chamar atenção”, são entre essas e muitas outras que se ouve não só direcionada para alguém da família mas também com pessoas próximas.

Quando entramos em contato com uma partícula das ciências humanas, referente a teorias ou técnicas, uma ciência que se preocupa com o outro, adquirimos uma visão holística sobre si, compreendemos o indivíduo através dos seus próprios olhos. Vamos adquirindo conhecimento e quando em uma tarde de domingo você recebe uma ligação de uma pessoa conhecida, que está a quase 900 km de distância, e relata que está com o carro parado em um despenhadeiro, pois, seu objetivo era se jogar dali, porque não consegue mais viver, a priore a gente paralisa diante do choro, do desespero e palavras que a morte é a solução, então é preciso se recompor de forma rápida, pois o perigo é eminente, e é preciso acolher, ouvir esse sujeito, ora em silêncio, ora dialogando.

Em uma escuta atenta o propósito é direcionar a pessoa para que ela se perceba e vá saindo daquela crise, depois de quase uma hora de batalhas internas, sem saber em qual posição está a pessoa ou carro, você conhece apenas o local que a pessoa está, vem o suspiro de alívio quando a pessoa diz que vai desligar porque precisa ir para casa.

Ou quando o telefone toca de madrugada e alguém pedindo sua ajuda, pois está em duvida sobre como prosseguir para ajudar uma pessoa que subiu em uma árvore e se encontra com a corda no pescoço, você se lembra da importância da construção do vínculo, sabemos que temos que agir rápido, a orientação no momento foi, diante das três pessoas que estavam prestando socorro, eles observassem entre eles, com quem a pessoa falava mais e para quem direcionava o olhar com mais frequência e então, que essa pessoa mantivesse o diálogo e os outros dois se afastassem um pouco.

Foi explicado a importância de ouvir e procurar no desenrolar do diálogo, o que ou quem daria sentido de vida para a pessoa em risco. A importância de se atentar para os movimentos da pessoa, ajudar sem invadir, e, depois de uma longa espera, o telefone toca e você escuta que deu tudo certo, a pessoa em risco se jogou nos braços do auxiliador.

Tem também as experiências que lidamos pessoalmente com esse sujeito que no ápice da dor tenta se matar. É preciso estar ali presente, ser um suporte, compreender, sem julgamentos, e amparar a dor e o desespero do outro. Esse indivíduo em crise, que procura se auto destruir, na verdade, não está procurando a morte, mas sim se livrar da dor dilacerante, daquela bagagem pesada de angústia e desespero que não consegue mais suportar, um indivíduo que perdeu a esperança na vida, na condição humana, muitas vezes no grito da dor, pediu ajuda através de frases como: “estou sem forças para lutar”, “não sei mais o que fazer”, “estou numa situação e não vejo saída”, “não tem mais jeito para mim”, “o dia já perdeu sua luz, a vida perdeu o colorido”. Quantos pedidos de ajuda foram negados ou não foram compreendidos por muitos, que estavam próximos fisicamente, mas distantes emocionalmente.

Cada vez mais, vemos através das próprias lentes de nossos olhos, uma sociedade fria e distante de valores, uma sociedade ditada pelo consumismo, pois cada vez mais o homem se preocupa consigo mesmo e seus próprios interesses e se afasta do outro. Mesmo dentro do núcleo familiar, muitos estão em um agrupamento, mas, separados emocionalmente. Os gritos por ajuda já não são mais ouvidos. Cada vez mais estamos perdidos dentro de nós mesmos ou desamparados em nós mesmo. O capitalismo propõe uma sociedade sem dor, sem sofrimento. Sabemos que sofrer faz parte da dinâmica da vida, bem como falhar ou fracassar. Penso que seja ai que inicia se os dilemas de auto destruição. Sentimentos de fracassos, de derrotas, vergonha e sofrimentos assume o controle do ser humano, minando sua forças de se reorganizar, falta esse apoio dentro de si mesmo e o apoio essencial encontrado nas relações humanas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio tem aumentado cada vez mais, atingido inclusive nesses últimos anos, crianças na faixa de cinco anos, o que o coloca entre as dez principais causas de morte. Um fenômeno que tem atingido todos os contextos sociais. São tragédias familiares com impactos sociais, tornando-se um problema de saúde publica.

O suicídio é um fenômeno complexo que envolve vários fatores, como: emocional, psicológico, psiquiátrico, econômico, religioso, que se aglutina e converge para o sofrimento que o  indivíduo carrega sobre si. Ainda é preciso considerar a crise de identidade que tem afetado muitos indivíduos em todas os grupos sociais. Nos dias de hoje ainda existem barreiras que impossibilitam o debate aberto sobre o tema suicídio, pois a morte é tratada como um tabu.

Somos incentivados a buscar a satisfação, a felicidade e a manutenção da vida a qualquer custo. Como compreender esse indivíduo com esse comportamento suicida? Onde estão as respostas para solucionar esse problema?

De acordo com a OMS, no estado mental do  indivíduo suicida se confundem o desejo de viver e morrer, e este procura, então, a urgência em sair da dor e do sofrimento. Quando esse indivíduo procura se auto destruir, ele não está vendo outra saída, verifica-se aí, uma rigidez, não vê outra saída há não ser a morte. Ele não consegue suportar mais o sofrimento, não vê uma saída e parece não ter fim.

A pessoa que tenta o suicídio parece querer encontrar na morte o que ela não está conseguindo em vida. É uma forma de falar através desse ato, o que não consegue falar em vida. Na verdade ele não quer morrer, a pessoa não enxerga outra maneira a não ser a morte. O sofrimento psíquico, o vazio existencial, esse  indivíduo já não visualiza o suporte familiar ou o suporte social, encontra-se perdido na sua angústia diante da rejeição, discriminação e sentimento de fracasso, e então vê essa única saída, aniquilar-se, colocar o fim no sofrimento.

Qual o papel do terapeuta diante de uma pessoa com comportamentos suicidas e quais desafios encontrados? De acordo com Coloma (2013), o terapeuta, no seu trabalho, encontrará dificuldades pois, estará diante de sujeitos sem demandas, impulsionado pelo ato e não pelo sintoma. Para Rigo (2016, s/p): “o maior desafio é fazer com que o sujeito fale no lugar de atuar e assim possa se implicar no seu ato e demandar um tratamento”.

Nesse contexto ouvir é melhor do que falar, acolher o sofrimento do  indivíduo. É necessária uma escuta com cuidado, sem julgamentos, compreender a vivência e o que ocorre no mundo interior. A terapia propõe conhecer os fatores e os motivos que o levam ao desejo de morrer, encontramos um sujeito em crise, que perdeu a capacidade de elaborar a dor, e por isso, perde a capacidade de ajustamento.

Conforme descreve Cerqueira; Lima (2015), o terapeuta deve conhecer os fatores de risco e de proteção para o manejo clínico, a dinâmica de vida do  indivíduo, utilizando-se de estratégias preventivas e atuando de forma presente na relação, conduzindo o indivíduo para a retomada de consciência. A terapia propõe que o  indivíduo entre em contato com sua parte adoecida e sadia, e assim, terapeuta e cliente, procuram perceber como a pessoa em risco está percebendo o ato suicida e o porquê de coloca-lo como uma saída.

O objetivo é fortalecer os fatores de proteção e diminuir os fatores de risco, a terapia é direcionada no aqui e agora, em uma relação de confiança para facilitar a autoconfiança da pessoa em risco, ou seja, fazer com que esse indivíduo se redescubra em um processo de conscientização. O “aqui e agora” é uma extensão da Gestalt Terapia, que propõe envolver-se com a realidade presente.

Tentar viver o aqui e agora significa se responsabilizar com a realidade como um todo. Na terapia se trabalha as polaridades do sujeito, o desejo de morrer e de viver, as situações inacabadas do passado que emergem no presente do sujeito, bloqueando o fluxo de sua vida, a consciência de si e de suas responsabilidades, que ocorre no presente. Para que ocorra essa mudança na visão gestáltica, o  indivíduo precisa se apropriar de si. É a tomada de consciência que permite a auto percepção, possibilitando viver de forma autêntica, que mantém o contato saudável com o mundo presente e consigo mesmo e consciente de suas possibilidades. É preciso experienciar o presente, pois, o passado já foi, o futuro ainda não é, e o agora inclui o equilíbrio de estar aqui.

Quando se lida com o comportamento suicida, se lida com o medo, a angústia, a dor, sendo necessário compreender quais são esses conflitos ou situações em que o desejo de morrer aparece como solução. É necessário perguntar, escutar, acolher, confirmar esse indivíduo, se o mesmo já não consegue ser mais o seu auto-suporte devemos orienta-lo e direcioná-lo, em busca de suportes externos: família, amigos e então, encaminhar para um acompanhamento multidisciplinar (FUKUMITSU; SCAVACINI, 2013).

É necessário cada vez mais buscar o embasamento teórico, obter suporte de técnicas psicológicas, compreender os dilemas da vida e o sofrimento humano, para enfrentamento de situações em crise, dessa forma o grito de socorro não passe desapercebido diante dos nossos olhos. Precisamos humanizar e sensibilizar nossos sentidos.

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. Suicídio: informando para prevenir. Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. Brasília: CFM/ABP, 2014. Disponível em: <https://www.cvv.org.br/suicidio_informado_prevenir_abp_2014.pdf> Acesso em 12 abr 2018.

CERQUEIRA, Y; LIMA, P. Suicídio: a pratica do psicólogo e os principais fatores de risco e proteção. IGT na rede.Vol. 12. Nº. 23. 2015. Disponível em: <http://www.igt.psic.br.ojs> Acesso em: 14 abr 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. O Suicídio e os Desafios para a Psicologia. Brasília: CFP, 2013.

FUKUMITSU K.;SCAVACINI K. Suicídio e manejo psicoterapêutico em situações de crise: uma abordagem gestáltica. 2013. Disponível em: <http://pepsi.bvsalud.org/scielo.php?script=sci-arttext&pid=s19> Acesso em 14 abr 2018.

RIGO, Soraya. Psicóloga fala da importância da escuta na prevenção de suicídio. Salvador: Conselho Regional de Psicologia 3ª região, 2016. Disponível em: <http://www.crp03.org.br/psicologa-fala-da-importância-da-escuta-na-prevenção-de-suicídio.htmal> Acesso em: 14 abr 2018.

 

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *