Como eliminar a gente que mata?-Por Grace Maya

Gente, como vocês sabem, eu venho praticando esportes radicais no precipício do cancelamento, e hoje vou dar o jump no tema mais polêmico do governo Bozonazo: o porte de armas! Menin, esse é outro tema que as conversas se perdem, e os psicopatas de verde e amarelo dançam o samba do demônio doido em cima dos argumentos dispersos que encontramos!

Por Grace Maya
Compartilhado por
Central de Jornalismo
21 de junho de 2021

O mudrá da arminha é o símbolo desse governo genocida, esse gesto, que antes podia ser usado só pra sair cool na foto, hoje é um símbolo forte da direita e ver alguém fazendo isso gera asco e indignação!! Mas vamos lá, vamos nos meter nessa infausta polêmica.
Eu nem sei por onde começar, mas resolvi escrever sobre isso porque essa semana, a lista de psicopatas de Brasília aumentou, né! Temos o tal do Lázaro levantando ainda mais a questão do porte de armas e como eu sempre me comprometo com os temas que geram memes e posts indignados, esse é o momento.
Brasília, que além de cidade do Rock, produz um ambiente favorável a psicopatias de todos os tipos, ganhou mais um nome na lista do terror. Não estou falando dos políticos somente, mas da mesma lista que tem os playboys que mataram o Gaudino e aí já me chama atenção que entre todos os tipos de psicopatas que existem, o menos aceito socialmente é o psicopata preto e pobre. Nossa sociedade tem fetishe com o tema, mas a verdade que a galera curte um Hannibal, aquele charmosão com voz aveludada, com bom gosto para perfumes caros, gosto fino para arte e música, com cara de Anthony Hopkins, é um amor, amamos Hannibal, é verdade, horrível, mas verdade. Aí tem outro tipo, que normalmente é só chamado de assassino mesmo,esse no caso nem ganhou apelido, é de Brasília, porque de alguma forma o título de psicopata é algo como uma classificação, é quase um título, mas o psicopata pobre, não tem jeito, não tem como o povo curtir, a galera cai matando no julgamento! Com tantos psicopatas soltos em Brasília, a cidade entrou em pânico com medo generalizado causado em parte pela inaptidão da polícia, em parte pelo sensacionalismo da imprensa e para piorar não falta gente associando o tema com o demônio. Ai nemm, pára né, não estou protegendo o cara, mas ninguém falou que a pastora que matou o marido tava possuída pelo demônio, mas nesse caso, já tem até foto do ritual satânico e o pai dele ainda dá trela e disse que ele tá possuído, aí fechou, parece que é essa é a melhor explicação pra barbárie cometida pelo cara!
Em um país com 500 mil mortos causadas por outro psicopata, realmente ninguém estava preparado para um indivíduo disparar na fama com esse título, e aí você ouve de tudo. O certo é que nem sempre um psicopata necessita de uma arma, muitas vezes eles inventam outro jeito de matar suas vítimas, então classificar que tipo de assassino é meio aleatório. Se é um assassino puro e simples ou é um psicopata, vai depender muito da cara e da classe social que a pessoa ocupa. E sem falar da profissão, porque um polícia já fica mais difícil de levar o título e nem falar num presidente. Mas de todo modo, obviamente não sou especialista no assunto de taxonomia de assassinos, mas me parece que o aspecto mais cruel é o tema da classe social.
Em geral, podemos afirmar, em geral digo, que a maioria dos assassinos, que recebem esse título, tem uma infância dentro de uma família desestruturada e de baixíssima renda, crescem dentro de um ambiente desestruturado, ambientes violentos, uma infância sem rotina, sem cuidado, sem lugar fixo, sem lazer, sem comida nutritiva, sem qualquer segurança e geralmente sofrem e/ou presenciam muita violência, como estupros, mortes, e espancamentos. No caso desse cara, só vi que o irmão foi morto por acerto de contas, mas esse tipo de coisa não acontece sem muitos antecedentes, imagino eu. Tem muitas séries no Netflix que são documentários sobre assassinos, tem uma que se chama “Eu sou um assassino”, aí você escuta eles contando seus passados escuros, que resultam numa loucura crescente que acaba sendo agravada por drogas e acabam virando assassinos. Nessas séries, aparecem instituições que sabem que muitos assassinos passaram por esse processo e os ajudam a ter um julgamento justo e os ajudam também depois na prisão, contrariando a maior parte das pessoas que só buscam mesmo a pena, como vingança.
Ou seja, a sociedade quer vingança! Mas é relevante assinalar que esses assassinos são gerados por nossa sociedade, são assassinos produtos da desigualdade social, do capitalismo, do neoliberalismo e do fanatismo, são assassinos que foram fabricados pela nossa sociedade. Não queremos saber de nada disso quando apontamos o dedo a um assassino, não queremos nos fazer responsáveis e mais! Queremos vingança! Queremos uma punição com muito dor e sofrimento e muitos desejam a morte mesmo, mas com certo requinte de crueldade, tipo queimado numa cadeira elétrica. Mas enfim, o problema aqui é a mistura explosiva: desigualdade social, violência, vingança, Estado e Igreja! Como sempre, esse coquetel é mortífero e as armas aqui ocupam quase que um segundo plano, porque quando se trata da igreja e do Estado, as formas de matar são as mais variadas possíveis.
Mas, o que eu queria comentar mesmo, era o tema da posse de arma, vi vários posts sobre isso essa semana e acho que vale a pena arriscar dar uma geral e ver o que temos.
Para começar, vou confessar que sobre ter armas em casa, eu não posso ser considerada um ser humano médio no assunto, sou filha de militar e sempre tive arma em casa, e apesar da violência presente na minha casa, meu pai nunca usou a arma dele! Acho que era porque ele era faixa preta de judô e me batia no socão mesmo, sem precisar apelar para o revólver. Outra coisa que nunca aconteceu foi eu e meu irmão brincar com o revólver do meu pai, nunca cogitamos isso, e não sei dizer o motivo, mas a arma estava sempre fora de questão. Mas não importa, vou tentar passar por cada tipo de problema que gera o tema da posse de armas.
Problema 01: Acidentes com crianças. Uma das coisas que sempre ouvimos é a questão dos acidentes com crianças, realmente é muito triste e absolutamente indesejável. Uma arma jamais deveria estar acessível às crianças, ponto! Mas gente, armas super bem guardadas é estranho! Pensa! O ladrão entra e temos que sair correndo para pegar o revólver num lugar difícil, e a munição noutro lugar difícil também, nisso o bandido já sacou o movimento. Aqui normalmente vai dar treta, ou ele vai pegar a arma antes ou vai te matar pra se defender. O ideal seria a típica arma debaixo do travesseiro ou na gaveta da sala, se é para se proteger de ladrões, mas aí tem o problema das crianças. Sabe que conheço mais histórias de crianças que morreram afogadas em piscinas que com armas, mas enfim, se você tem criança em casa e tem uma arma já nem dá pra falar com você, correr esse tipo de risco é surreal no meu conceito, mas posso aceitar que não me parece que seja um argumento muito forte, dentro de todos. Seguimos excelência!
Problema 02: Acidente com adultos. Podemos argumentar que armas não devem estar em casa por causa de acidentes em geral, ou porque somos humanos e nosso momentos de fúria são imprevisíveis e não dá para arriscar, pode dar uma vontade de matar o filha da puta que não abaixa a tampa do vaso, eu sei, eu sei! Bom, tem um ditado ameaçador sobre isso: arma o diabo carrega! (risas) Bom, seja um acidente, sei lá, imagina algo como o sujeito vai limpar a arma, e ela cai e dispara, ou um momento de conjunção planetária, tipo marte em Áries na casa 01, o ideal deveria ser não deixar para entender o que aconteceu depois que tem um ser humano morto no chão, né! Aí, nesse aspecto, já podemos ir afinando o argumento.
Outro parêntesis sobre minha vida com armas: Eu uma vez fiz uma aula de tiro, depois de velha, sabe que eu fui solteira por muito tempo, e depois de levar umas porrada de ex, achei que seria uma solução para minha segurança, mas só achei por uns dias e desisti. Me pareceu a coisa mais complicada do mundo, tudo podia dar errado e só lembro do cara explicando que “ se arma não dispara pode explodir na sua mão” !!! É louco! Nammm, já resolvi que vou apostar na teoria do karma e praticar ishavarapramidhana, o famoso “entrega pra Jesuis”! Gente, eu juro que não conseguia fazer nada, fiquei com tanto medo do objeto em si, que não conseguia nem pensar. O certo é que: o fato da pessoa ter treinamento ou ser um mestre de luz e calma do yoga, tão pouco garante nada, uma vez que uma arma está presente, podemos ter um acidente. Que seja uma ameaça constante, já é inaceitável.
Problema 03: Posse de arma na área rural. Outro tema, é a área rural. No caso desse espaço que chamamos de rural, é um espaço que o Estado está mais ausente ainda que na cidade, e assim, o contrato social, aquele do Russeau, fica com efeitos mitigados, então, se aceita que a pessoa que vive aí tá tipo no western e pode ter arma. Outro motivo também é que, na área rural, uma arma às vezes se necessita para outra coisa, além da proteção de gente, a proteção contra animais. Quando casei pela primeira vez, meu marido tinha um revólver, que também nunca usamos nas nossas brigas, não sei o porquê sinceramente. Mas escrevendo isso fui lembrando… um dia, um cavalo quebrou a perna, então foi preciso sacrificar o cavalo, então se usou o revólver, mas enfim, aqui eu fico um pouco na dúvida, se rola ter arma ou não,entende? Eu não digo de ter arma para matar animais por esporte, acho ridículo, mas no caso de animais selvagens, por exemplo, não sei, fica aberto esse ponto do argumento. Voltando ao caso do Lázaro, ele pegou armas em propriedades rurais, aí temos um problema que não falamos antes: e se alguém furta sua arma? Bom, voltamos ao argumento do acidente né, é um terrível acidente isso? No caso, o dono da arma poderia argumentar isso, para não se sentir responsável pela morte das pessoas, que o outro cara matou, mas na linha de nexos causais poderia-se argumentar que existe uma culpa sim! Ou seja, é previsível! Claro! Tipoo…o cara sabe que isso pode acontecer, né minha filha!? Podemos então afirmar que: quem tem arma, tem vontade de matar e prevê que vai usar a arma algum dia. Entonces…listo! Há previsão, excelência! Data venia, não é um absurdo afirmar que está previsto, pelo dono da arma, a priori, a morte por meio daquela arma, nesse sentido, eu argumentaria que o dono da arma poderia ser sim um co-autor do crime. Ai gente, por isso que não consigo ser advogada, eu viajo muito, pelo que eu lembre, acho difícil meter isso no 121, mas enfim, filosoficamente se sustenta.
Mas então, te pergunto, irmão: o que é realmente relevante nessa discussão?
Eu diria que primeiro : quem mata é assassino! Se a pessoa que mata vai acomodar sua ética com pastilha ou pedindo perdão pra Jeová, que perdoa de boa, não importa. Tão pouco importa se a pessoa matou autorizada, por exemplo, em legítima defesa, você pode até safar e conseguir provar que você agiu em legítima defesa. Primeiro, é uma coisa que tem de ser provada, ou seja, se você desespera e dá dez tiros no cara, pode ser que eles achem que foi muito exagerado e você se fode, porque eles acham que na verdade você é meio exagerada e passou da cota e tal, e você pode ter uma condenação penal nas costas, mas além disso, você se torna uma pessoa assassina, talvez não fique famosa por isso, não receba o título de pessoa assassina, mas sim, é.
Aqui eu me pergunto: como é que um sacristão, desses de verde e amarelo, acha normal matar uma pessoa? Não entendo, te juro que não entendo! Será que estão possuídos pelo demônio da ignorância or what?(risadas maléficas). Esse povo é gente que teve vida boa, comeu bem, os pais davam beijinho antes de dormir, ganhavam presente de natal, ovo de páscoa, abraço da vovó, iam para praia nas férias, shopping, tudo, tudo tranquilo, e agora, do nada, viraram tudo uns odiadores doido de gente e assassinos em potencial, afe,nammm! Mas, mentira, eu sei sim, é a religião, essa é a base desse sentimento, o mesmo deus moralizador, baixador de linha, histérico, assassino e vingador da bíblia é o que fomenta a violência, o extermínio completo a qualquer custo de quem não vai com a cara dele.
Aqui eu vejo o pior problema a ser resolvido: como eliminar a gente que mata?? Gente, essa é ou não é uma pergunta que vale um milhão de dólares?? Não, não, vale muito mais, vale todos os dólares que existem no planeta, todos os bilhões virtuais que o humano criou! Como convencer sem ideologia, como conscientizar sem moralizar, como eliminar a semente maligna nas gerações futuras sem religião?? Olha, eu te digo uma coisa, eu não tenho a mais mínima ideia! Parece que toda vez que surge essa proposta brota do inferno todo mal dos fundos dos infernos neoliberais neoplatônicos judeos-cristãos e fazem transbordar na superfície do planeta em um mar de sangue.
Nós de esquerda, poderíamos sair dessa moralização e pensar em nos armar e resolver isso com a mesma força. Poderíamos ir pela defesa da revolução armada, mas já sabemos que não é possível. O poder já está na mão da direita, a polícia tem direito de matar e tem um tribunal particular para resolver entre eles. E além disso, somos pessoas que aprendemos com o passado. Sabemos que não há mais revolução bolchevique, ainda que a direita ainda tenha medo de comunista (risos) e mais! Sabemos ainda de outros eventos, como o que aconteceu aqui na Argentina, quando a esquerda esteve armada. Eram 1800 armados, não treinados, contra um exército de mais de 200 mil súditos, melhor armados e melhor treinados. Resultado! Uma chacina histórica! Uma das repressões mais tenebrosas conhecidas, com o desaparecimento de um número gigante de sindicalistas de base, delegados de base, que hoje constam nos números dos 60 por cento dos 30 mil desaparecidos.
Aí temos alguns outros eventos aislados! Em Cuba, que hoje é o país americano que tem o menor número de mortos por arma de fogo, chegou a ser assim por meio da revolução armada, sim irmãos, mas já sabemos que essa ilha é um milagre doido e não vamos sustentar aqui a violência praticada pelo governo cubano que é outro tema gigante. Outra exceção é o caso das mulheres no Cazaquistão, é um movimento só de mulheres contra Isis, é genial, as minas matam mesmo, e como esses machos quando morrem pela mão de mulheres vão para o inferno, fechou, a ameaça delas é bem eficaz no sentido de frear o avanço deles. Mas também é um tema para outro artigo gigante, e não sei se sou capaz de escrever sobre isso, porque vocês sabem que vou ser parcial no caso de ver mulheres com rifles matando esses monstros da galera do Jeová.
Então é isso, é um tema terrível, não sei nem pra que fui me meter nisso, gente do céu, sou doida mesmo! Mas te juro que pensei que ia chegar a um final mais legal, mas não, é isso mesmo, temos: a direita armada e querendo mais armas! A milícia mega super duper armada e perigosa, e! autorizada e legitimada, não só pelo governo, mas pela população que tem sede de vingança, vulgo justiça. E! A violência generalizada, causada pela religião e o capitalismo! E nós perdidos no meio desse fogo cruzado! Morrendo de medo e frustração, não conseguimos resolver nada, nem matar, nem morrer, e ficamos vendo tudo de longe, colocando alarme, comprando cachorro bravo, virando burgueses só para ter segurança, um trem doido da porra, um baracubaco infernal é esse planeta cheio de armas, aviões , mísseis, bombas atômicas e nós sem solução!
E tem mais irmãos! Péra, que o buraco é mais embaixo! Se não morre de revólver ou bala perdida, morre de vírus, e se não morre de vírus, morre de coca-cola, e se não morre de coca-cola…ixi vai embora, de flúor na água, de a..….ad infinitum caro amigos, ad infinitum!
Oxente! Então nem sei como sigo viva e nem sei como vocês seguem vivos, e vivos o suficiente para terminar de ler meu textão bagaceira!! Então, esse milagre lindo de amor são vocês vivos e vou aproveitar que seguimos vivos para agradecer a paciência e amor de todos, com seus feed-backs positivos e cheios de carinho! O que recebo de vocês faz valer a pena a vida nesse mundão véi sem porrrrtera! Continuem vivos, seus leitores subversivos de textão!! A esquerda viva já é revolução! Estamos juntos e plenamente armados de amor no coração!
Grace Maya
Buenos Aires – Junho 2021

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *