‘Discutir o sexo dos anjos’ Paco Britto sobre eleições de 2022

Por Claudio Ulhoa
Compartilhado por
Central de Jornalismo
02 de agosto 2021

Para Paco Britto, o atual momento requer dos governantes uma postura política que atue no combate à pandemia de covid-19

O vice-governador do Distrito Federal, Paco Britto (Avante), disse, em entrevista ao programa Conectado ao Poder da rádio Metrópoles, neste domingo (1/8), que não é momento para se falar em candidaturas para as eleições de 2022, visto que o DF e o país enfrentam a pandemia de covid-19 que já matou mais de 500 mil pessoas no Brasil. Para o vice-governador, agora é hora de o governo agir e tentar ajudar as pessoas que foram direta ou indiretamente afetados pela pandemia.

Recomendamos para você:

No DF mutirão do fim de semana aplicou 13,2 mil segundas doses

Passe Livre Estudantil: é hora de atualizar o cadastro

Piora no quadro mantém Guarda Jânio por mais tempo no hospital

“Discutir isso agora é discutir os sexos dos anjos. Vamos tratar de salvar vidas, a covid-19 está aí, está matando, ceifando vidas alheias. Isso é o que temos que fazer neste período e depois discutimos o mesmo discurso”, afirmou Britto.

Sobre a possibilidade de ser vice outra vez de uma possível candidatura do governador Ibaneis Rocha (MDB), o vice-governador resumiu ao dizer que “time que está ganhando não se mexe”. “Mas isso vai passar pelo governador Ibaneis Rocha e numa composição acho que hoje não é hora de falar de vice e hora de salvar vidas porque estamos numa pandemia”, completou.

A respeito de uma possível ruptura entre o vice-governador e Ibaneis, Paco Britto se posicionou e afirmou que, diferente do que se especula nos bastidores, não há nenhum “imbróglio” entre o governador e ele. “Nunca teve nada entre o Ibaneis e eu. Zero. Posso garantir isso a todos”.

Paco Britto também disse que ele apoia as manifestações populares a favor do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ponderou que a gestão do presidente tem sido positiva, porém ele ressaltou que o atraso na compra de vacinas contra a covid-19, no início da pandemia, pode ser sido uma falha do governo.

“A grande falha nossa, nossa que falo é do Brasil, foi a de não ter entrado na fila [da compra das vacinas] anteriormente quando todo mundo estava na fila. Então, as plantas das fábricas já estavam superlotadas e agora não conseguem entregar mais imunizantes”, lembrou Paco Britto. Atualmente, o Brasil tem pouco mais de 100 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose.

Quando elogiado pela postura que tem tido à frente do governo, Paco Britto agradeceu dizendo que tal postura tem sido resultado da parceria que ele tem com o governador Ibaneis. “Nós trabalhamos em conjunto, na mesma linha, desde o primeiro e o segundo turno nós trabalhamos juntos”, afirmou.

*Cláudio Ulhoa – Jornalista, membro da Associação Brasileira de Portais de Notícias – ABBP

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *