Militares sabotaram as eleições de 2018 em benefício próprio

‘Quem prenderá os generais que agiram contra a soberania popular?’, questionam Roberto Amaral e Manoel Domingos Neto

Por Carta Capital
Compartilhado por
Central de Jornalismo
21 de fevereiro de 2021

Visitávamos Wanderley Guilherme dos Santos em meados de 2018. Ao saber que oficiais articulavam a campanha eleitoral de Jair Bolsonaro, inclusive com o envolvimento da “família militar”, Wanderley disse que daria voz de prisão se um deles lhe falasse algo nesse sentido.

A lembrança nos ocorre quando o general Eduardo Villas Bôas confirma, em depoimento colhido por Celso de Castro, da Fundação Getulio Vargas, que, apoiado no Alto-Comando do Exército, constrangeu o Supremo Tribunal Federal e afastou o candidato favorito.

A cúpula militar sabotou as eleições em benefício próprio. Seus integrantes assumiram importantes cargos no governo que ajudaram a eleger. Seus protegidos foram agasalhados na administração pública.

Contam-se aos milhares. Militar que intimida juiz deve ser julgado e preso, assim como o magistrado que não se dá ao respeito. 

Quem prenderá os generais que agiram contra a soberania popular? Quem julgará a Corte que se deixou intimidar e, intimidade fraudou o direito?

Leia mais na Carta Capital

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *