Bolsonaro foi até a casa de Sarney pedir a ‘benção’ para conter Renan-Por Kleber Moraes

Presidente Bolsonaro está isolado e vê o cerco se fechar na CPI da COVID, e que poderá fazer um grande estrago em seu governo e até levá-lo ao impeachment.

Por Kleber Moraes
Central de Jornalismo
30 de abril de 2021

No momento mais crítico de seu governo, sem muitas opções e com aliados abandonando o barco, Bolsonaro busca apoio ‘debaixo das asas’ do MDB, já que Renan Calheiros é o relator da Comissão e logo em seu primeiro discurso já disse a que veio, usando um um tom muito duro contra possíveis omissões do governo no combate a pandemia, disse Calheiros “os crimes contra a humanidade não prescrevem jamais”, criticando duramente o fato de o Ministério da Saúde ter mantido no comando durante boa parte da pandemia o general Eduardo Pazuello.

Já se sabe aos sete ventos que sopram por Brasília, que Bolsonaro ficou muito assustado com o discurso de Calheiros e que essa foi a principal razão que o levou a se dirigiu para uma reunião na casa do Ex-presidente José Sarney fora da agenda oficial, ou seja, às escondidas para não escancarar o momento frágil pelo qual está passando.

A cada dia que passa notamos que os insultos e falas arrogantes do ‘inquilino do Planalto não passam de bravatas’ de quem sabe que terá que enfrentar pela frente uma CPI que já aponta mais de 20 possíveis crimes cometidos com o bravateiro à frente de tudo.

Nesse encontro às escondidas com Sarney fica claro que, “em Brasília manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

Leia mais no UOL >>>>

Bolsonaro foi à casa de Sarney para pedir apoio do MDB em embate com Renan

Por Carla Araujo /UOL

Em um compromisso fora da agenda, o presidente Jair Bolsonaro foi até a residência do ex-presidente José Sarney em Brasília na última terça-feira (27), mesmo dia em que a CPI da pandemia estava sendo instalada no Senado.

O encontro durou cerca de um hora e apenas Bolsonaro e Sarney participaram.

A reunião teve como um dos articuladores o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), que aconselhou o presidente a buscar uma aproximação maior com o MDB.

“O presidente Sarney é uma figura muito querida pelas lideranças do MDB. É uma referência no nosso partido e poderá ajudar muito a melhorar a interlocutores do governo com os nossos líderes no congresso”, disse à coluna.

Segundo Bezerra, tanto Bolsonaro como o ex-presidente Sarney saíram da conversa com uma boa impressão. “O presidente Bolsonaro me falou que a conversa foi muito franca e amistosa e o presidente Sarney também achou muito positiva”, disse.

“Acalmar Renan”

O principal problema de Bolsonaro com o MDB é justamente a presença do senador Renan Calheiros como relator da CPI.

Questionado se acredita que o encontro entre Bolsonaro e Sarney pode de fato ajudar a uma abertura de diálogo com Renan, o líder do governo disse que “as melhores armas do governo na CPI serão o diálogo com todos os membros incluindo a oposição e a qualidade das informações e dos depoimentos que serão prestados”.

Em seu discurso inicial na CPI, o ex-presidente do Senado usou um tom duro contra possíveis omissões do governo no combate a pandemia, disse que “os crimes contra a humanidade não prescrevem jamais” e criticou duramente o fato de o Ministério da Saúde ter no comando durante boa parte da pandemia o general Eduardo Pazuello.

“A diretriz é clara: militar nos quartéis e médicos na saúde. Quando se inverte, a morte é certa, e foi isso que lamentavelmente parece ter acontecido. Temos que explicar como, por que isso ocorreu”, disse Renan, na ocasião.

Após o apelo de Bolsonaro a Sarney, que mantém uma interlocução direta com Renan, o senador – que também ouviu apelo de outros aliados do governo – afirmou a correligionários que irá calibrar melhor suas falas.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *