As crianças nunca deveriam voltar às escolas! Por Grace Maya

Central de Jornalismo
Por Grace Maya
04 de maio de 2021

Aqui na Argentina, estamos voltando a ter restrições mais fortes, como na fase um, digamos que quaaaase igual, porque retroceder, de verdade, é bem difícil, né!? O medo do desconhecido já não tem mais efeito, e agora que já conhecemos o vírus e já é de casa, se perde o respeito mesmo, e o pior é que seguimos vivos! Nos acostumamos com o medo do vírus, porque o ser humano tem a terrível capacidade de adaptar-se a tudo e a isso damos o nome de inteligência.

Podemos pensar que, ao final das contas, a morte sempre esteve aí e sempre foi uma questão de sorte mesmo para a maioria das pessoas. Como o filósofo Bolsonaro disse: vai morrer quem tem que morrer! Que a morte agora tenha que ser tratada de forma política é muito desconfortável para a maioria burguesa, que além de ser responsável pela fome gerada pelo capitalismo, agora tem que se responsabilizar por morte de vírus, é too much, e como se costuma dizer agora: a esquerda não está preparada para essa conversa, né, minha filha!?

O famoso ditado “ninguém morre antes da hora” parece reinar nesse momento, e nós burgueses seguimos encontrando um besta pra sair de culpado, seja o Lula , seja o Bolsonaro, o que importa é jogar a batata quente pra frente e seguir usufruindo das mordomias que a ordem e o progresso nos proporcionam e se precisamos dormir com um clonazepan, para não irmos para as ruas quebrar tudo, está tudo bem, afinal de contas, quem pensa, pensa sentado no conforto gerado pelo inimigo e não dormimos o sono dos justos porque sabemos que não somos. E quem não pensa, não sabe de onde vem tanta desgraça e culpa o diabo por tudo isso, enquanto sonha com as melancias gigantes da nova Jerusalém.

Por aqui a questão política da morte toma cara com uma grande discussão: o fechamento das escolas! Fechar tudo e ao mesmo tempo mandar os filhos para roleta russa deveria ser claramente contraditório, mas essa perversidade está sendo discutida há meses e é a principal briguinha entre direita e esquerda. A sociedade disciplinar é a mais confortável ao que parece! Prisão e escola ainda não saíram de moda e os olhares panópticos de Jeová e da professora ainda parecem sobreviver dentro da sociedade de controle. E os burgueses, como sempre, são os principais defensores da sociedade disciplinar.

O tema aqui é ver que há pessoas que realmente não se importam com a segurança vital de seus filhos. Obviamente há um lado compreensível nisso! Criança dá trabalho, criança enche o saco, depois que perdemos essa capacidade de ver o mundo novo a cada dia, uma criança é tudo que não queremos perto todo dia. Criança cansa, tem que ensinar tudo, como come, como anda, como mija, como fala, se deus existe, o porquê de coisas inexplicáveis que aceitamos como verdades, criança não pode distrair que já tá pulando da janela, tocando fogo na casa, criança faz essas coisas que uma pessoa que tem filhos deveria ter pensado antes, afinal de contas, antes de sermos uns quadrados ambulantes, um dia fomos gente, um dia bem no passado, fomos capaz de pensar sem as barreiras ideológicas absorvidas ao longo dos anos.

A única oportunidade que os pais estão tendo de estarem perto de seus filhos e tomarem as rédeas da educação de seus herdeiros e futuros cidadãos da pólis não é vista como uma oportunidade genial, mas sim como um castigo. Eu jamais mandaria um filho para escola, me parece um ambiente insalubre, mesmo antes do corona vírus, insalubre de ideias,mas fica claro que a maioria dos pais pensam na escola como uma forma de se livrar dos pirralhos insurpotáveis que geraram, e o mundo que se foda e aguente eles, e ao final, se virarem presidente, um bem louco e nazi, foda-se, afinal de contas, cadê a mãe do Bolsonoro para podermos tirar alguma satisfação e mandar ele de volta pra puta que o pariu?

Fico pensando nessas crianças quando crescerem e estudarem sobre isso ou verem as fotos e lembrarem que seus pais mandaram elas à escolas, para jogar com a sorte. Será que irão perceber que seus pais foram cúmplices desta atrocidade? Será que vão se dar conta de tão insuportáveis que eram para seus pais, a ponto deles não se importarem se iriam morrer ou não? Talvez nunca pensem nisso, talvez achem engraçado até, talvez a história mude a versão e ninguém fique sabendo de nada, porque sabemos que a autoridade da família e da escola, raramente são questionadas. Por serem pais e professores, podem tudo, até praticar a violência e acabarem com nossas vidas.

Fica claro então que os burgueses querem ter filhos para mostrar para a família e vizinhos sua capacidade de cumprir o devenir da moral judeo-cristã, não importa se isso vai perpetuar uma ordem de humanóides infelizes, violentos, insensíveis, não importa se vamos seguir perpetuando os valores neoliberais para destruir e acabar com todos os recursos naturais, porque a natureza está para ser usada mesmo, como diz em Gênesis e Lock, e cada filho vai ganhar um celular, um carro e um diploma com seu nome se responsabilizando por sua própria iniquidade, que a academia trata de validar.

Por outro lado, se pudéssemos arrancar essas crianças de casa bem cedo e dar um treinamento/adestramento, vulgo educação, fora da ideia de família, de igreja, e aceitar que a maioria dos humanos não gosta de liberdade, talvez tivéssemos cidadãos que pelo menos sabem fazer alguma coisa e menos traumatizados! Mas não, não daria certo, uma boa educação tem suas consequências e o pior desse plano é que os burgueses não poderiam mostrar as bochechas rosadas de seus filhos no almoço de domingo e não poderão se orgulhar de serem boas potrancas ou bons garanhões.

Os burgueses não se importam que seus filhos serão pessoas infelizes por nunca serem amados por seus pais, por nunca serem amados em geral, por terem tantos traumas que nenhum coach será capaz de resolver o problema. Não se importam que ao final, suas vidas serão resumidas à grana, e tudo também será resolvido com grana, esses dólares burgueses vão parar na conta da mesma Pfizer que tem a patente da cocaína, dos gases dos campos de concentração e da vacina que tomamos hoje.

Não importa nada, o niilismo de nossos dias é o pior inimigo, a esquerda morna e aburguesada reclama muito indignada, mas é incapaz de repensar uma nova revolução,e é incapaz de se pensar com garrafas de molotof em suas mãos suavizadas de tanto apertar o play, é um triste fim para raça humana. Tão violenta, egoísta e perversa, mas incapaz de pegar em armas se não é para deus ou para o Estado, porque ao final de contas, ainda tá dando pra comprar uma cerveja e também temos muito medo do caos! E nem falar do medo da morte, porque fingimos muito bem que nos sentirmos vivos e não pensamos muito nisso, em casa está tudo bem, esse mês já se pagou as contas e hoje começa a nova temporada de alguma merda dessas de entretenimento.

Nós fracassamos, quem morreu não foi deus querido Fred, foi a burguesia hipnotizada pelas telinhas brilhantes, que hoje ocupam suas mãos. Nem falar nessas novas gerações, que são completamente retardadas e realmente não servirão para nada quando chegarem a idade de trabalho.

A ideia de mandar essa pirralhada para morrer nos campos de concentração das escolas, ao final não é uma má ideia, essas crianças são flácidas mentalmente, são hipersensíveis e demasiado ignorantes para poderem ser usadas futuramente. Servem bem de consumidoras enquanto os pais pagam as faturas, mas no futuro não poderão se responsabilizar de manter as contas em dias, porque nem isso conseguem fazer, não por falta de dinheiro, porque não conseguem nem levantar suas bundas fofinhas do sofá.

Se toda burguesia no futuro viver de renda, sem trabalhar, o sistema quebra. O Guedes falou o que todo mundo sabe, a aposentadoria foi planejada em épocas que as pessoas morriam logo ao se aposentar, obviamente os cálculos não são feitos para pagar ninguém por mais de 10 anos, e muito menos herdeiros ineptos. A onda é fazer a pessoa trabalhar até morrer, óbvio! Não sei porque o espanto da galera, give me a break! Nada mais normal para uma cabeça neoliberal que pensar assim.

Não sei o que essas crianças farão no futuro, espero estar viva para escrever sobre isso, e continuar tendo assunto, mas digo que me espanta que burguesia siga tendo filhos, me espanta a quantidade de filhos e todos os rituais que seguem repetindo! Os burgueses seguem tendo filhos porque sim, porque é normal, tão normal como tudo que é normal, 4 mil mortes por dia também é normal, vai ver que isso é algum tipo de equilíbrio e minha indignação não tem fundamento, vamos acostumando, acostumamos a ver a dobradinha Tanus e Eros forte como Batman e Robin.

Mas antes de finalizar, não me digam que as crianças querem voltar às escolas! As crianças não querem voltar a estar entre muros e ordens de uma hierarquia cruel! Elas querem fugir de seus lares insuportáveis, elas querem ir pra qualquer lugar, qualquer lugar que as faça esquecer a angústia que já existe plena em seus estômagos. As crianças não querem serem doutrinadas, assassinadas em suas criatividades, dominadas em suas espontaneidades, elas não querem ser enganadas com histórias que contam qualquer coisa, menos a realidade mórbida do liberalismo, as crianças não querem jogar com a morte antes mesmo de aprenderem a discursar em legítima defesa, as crianças querem seguramente : viver!

Uma linda semana pra vocês!
Se cuidem, alonguem, vacinem, sigam vivos!

Grace Maya
Buenos Aires, 2021

Foto: Ramiro Antico
Veste: Basura

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *