Gasolina sobe 40%, carne quase 36%. E ‘prévia’ da inflação tem maior taxa em cinco anos

Segundo o IBGE, apenas em maio, item que mais aumentou foram os remédios. Gás sobe há 12 meses

Por Vitor Nuzzi, da RBA
Compartilhado por
Central de Jornalismo
25 de maio de 2021

Combustíveis seguem se destacando entre as altas, mas alimentos, gás e agora remédios também sobem

São Paulo – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,44% no mês, abaixo de abril, mas na maior taxa para maio de 2016. Agora, soma 3,27% no ano. Em 12 meses, vai a 7,27%, também o maior índice em quase cinco anos. Alguns itens destacam, como gasolina, com aumento acumulado em 41,55%, e carne, que soma 35,68%.

Dos nove grupos que compõem o indicador, oito tiveram alta em maio, informa o IBGE, que divulgou os resultados nesta terça-feira (25). Segundo o instituto, o maior impacto (0,16 ponto percentual) veio de Saúde e Cuidados Pessoais (alta de 1,23%), com aumento nos remédios. Grupos de maior peso na composição do índice, Habitação (0,79%) e Alimentação e Bebidas (0,48%) responderam por mais 0,22 ponto.

Pandemia e remédios
No grupo da saúde, os produtos farmacêuticos tiveram alta média de 2,98%, depois de reajuste de 10,08% nos medicamentos a partir de 1º de abril. O IBGE cita alguns itens, parte certamente relacionada à pandemia: antialérgicos e broncodiladatores (5,16%), dermatológicos (4,63%), anti-infecciosos e antibióticos (4,4%) e hormonais (4,22%).

Em Habitação, a energia elétrica subiu 2,31% e representou o maior impacto individual de maio (0,10 ponto). Além da bandeira tarifária vermelha, houve reajustes em Fortaleza, Recife e Salvador. Também nesse grupo, o gás de botijão aumentou 1,45%, na 12ª alta seguida (reajuste em Curitiba e no Rio de Janeiro) e a taxa de esgoto, 0,29%, com alta em São Paulo.

Carne e tomate mais caros
Já o grupo de produtos alimentícios e bebidas subiu principalmente por causa do item alimentação no domicílio, que foi de 0,19%, em abril, para 0,50%. As carnes tiveram aumento de 1,77%, em média. O tomate subiu 7,24%, enquanto o preço das frutas caiu 6,45%. Fora do domicílio (0,43%), lanche (0,72%) e refeição (0,16%) subiram menos que no mês anterior.

Apesar da gasolina, que subiu 0,29%, o grupo Transportes teve deflação em maio (-0,23%), sob impacto da queda nos preços das passagens aéreas (28,85%). Também caíram os preços de transportes por aplicativo (-9,11%) e seguro de veículo (-3,18%). Entre os aumentos, automóveis novos (1,16%), conserto de automóvel (1,05%), metrô (0,46%) e ônibus urbano (0,25%).

A maior alta entre os grupos foi de Vestuário (1,42%), com impacto de 0,06 ponto no resultado geral. Joias e bijuterias aumentaram 2,35% e roupas femininas, 2%.

Nas áreas pesquisadas, Brasília teve variação negativa (-0,18%). Nas demais, o maior índice de maio foi apurado em Fortaleza (1,08%). O acumulado em 12 meses varia de 6,36% (região metropolitana do Rio) a 8,99% (Grande Fortaleza). Em São Paulo, o índice soma 6,43%.

O IPCA e o INPC deste mês serão divulgados em 9 de junho.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *