Inverno e outras histórias

Por Vicente Sá

Uma crônica de ficção onde descobrimos um grande segredo do passado do Filósofo da Asa Norte e é questionada a origem do Liga Tripa.

Eu e o Filósofo da Asa Norte, de tanto conversarmos, aconselharmos e ouvirmos as reclamações dos Mochileiros das Galáxias, que habitam o nosso bairro, nos tornamos algo tipo cônsules terráqueos. E, assim, quando em vez, somos convocados a uma reunião com o Conselho de Extraterrestres Viajantes, o CEV. Na segunda passada, fomos a uma dessas no porão do Bar do Mocotó. Por que no porão? Eu esclareço: durante a reunião do Conselho, eles retomam suas formas naturais e não gostam e nem devem ser vistos por outros terrestres.
Eneias, do planeta Molon, que atualmente preside o Conselho, e na sua forma terrestre é chaveiro na 114, sacudiu sua pequena tromba nasal e perguntou, de cara, se eu havia lido o livro de Ursula K. Le Guim, A Mão Esquerda da Escuridão, um clássico da ficção científica publicado nos anos sessenta. Estranhei ele não perguntar também ao Filósofo, mas acenei afirmativamente e o extraterrestre prosseguiu.
– Pois é o seguinte: estamos prestes a receber alguns novos visitantes que são originários do planeta Inverno, citado no livro, que possuem os dois sexos. De acordo com a fase de seu organismo, ora estão de um, ora estão de outro jeito. Para nós, mochileiros das galáxias, acostumados com a democracia sexual espacial, é tranquila a convivência com os Invernais, mas tememos por eles aqui, nas relações com vocês, terráqueos, e, principalmente, brasileiros. O Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo e essa fobia pode se voltar contra os invernais, afinal nem todos são como o Filósofo da Asa Norte.
Não pude mais me conter e perguntei ao FAN se tinha alguma coisa que ele deveria me contar. Sem demonstrar nenhum remorso ou nervosismo, o Filósofo da Asa Norte me falou que nos anos setenta havia se enamorado de um habitante de Inverno e tido um caso de verão e um filho com ele. Pela minha cara deve ter passado a pergunta, pois ele afirmou, em seguida, que tia Walkiria sabia e até conhecia, por teletransmissão, o Tom – este era nome do filho híbrido.
– Mas não se chateie. Eu ia te contar e te apresentar o guri no mês que vem, quando ele faz aniversário e, junto com a mãe, vem nos visitar. Como o tempo no espaço é outro, aqui se passaram cinquenta anos, mas ele está fazendo cinco agora e é um menino maravilhoso e, ou também, uma menina maravilhosa.
Sei que deveria ficar orgulhoso com o comportamento do meu amigo de tantos anos, mas uma pequena raiva, misturada com inveja me roía. Até mesmo tia Walkiria sabia, menos eu. Que amigo eu era para ficar no escuro assim? Mas, aos poucos, fui me acalmando e chegando à conclusão que o FAN era mesmo notável e até mesmo se relacionar com seres de outras galáxias ele conseguia. Isso era fantástico.
O Filósofo parecia ler meus pensamentos pelas minhas expressões faciais e logo que eu o achei fantástico ele me cutucou e falou?
– Agora que você está mais calmo, vamos ver o que eles querem com esta reunião.
Eneias, que parecia só esperar a deixa, explicou:
– Por sugestão aqui do Carlos, do planeta X15, que é um leitor assíduo de suas crônicas, queremos que você, não só divulgue esta nossa reunião e a chegada dos invernais, mas também convoque seus leitores, que parecem ser bastante liberais, tanto que gostam de suas histórias e abordagens, para que entrem em contato com os novos visitantes e lhes mostrem o lado positivo e evoluído dos terráqueos.
– Nós, os Mochileiros, estamos todos vacinados com as duas doses de vacinas interestelares e não oferecemos nenhum perigo de contaminação pela Covid ou qualquer doença espacial. E mais: planejamos, para o final do ano, uma recepção para os invernais no Espaço Cultural Leão da Serra, com o grupo musical mais querido pelos extraterrestres, que é o Liga Tripa. Que tal a ideia?
Expliquei que por mim estava tudo bem, mas que teria que falar com a minha companheira, que é quem comanda os destinos do Espaço Cultural, mas que daria uma resposta para eles em alguns dias.
Como em toda reunião que se preze, mesmo aquelas com seres intergalácticos, ao final ficam os grupinhos batendo papo e fechando acordos ou só fofocando mesmo. Aproveitei e chamei o Eneias e perguntei sobre o cachê do Liga Tripa e ele me garantiu que estava reservada uma boa quantia. Com jeito, me puxou para um canto e perguntou curioso:
– De qual planeta é o Liga? Eu apostei com um marciano que eles são de Ômega Cinco, são?
Sorri e avisei que no nosso próximo encontro eu traria a resposta.
– E vou levar. Hoje mesmo vou perguntar ao líder do grupo, Aldo Justo. Depois eu conto pra vocês também, leitores. Mas, se alguém souber ou quiser arriscar um palpite, manda aí.
Bom Domingo.

Vicente Sá

Foto Kim Ir-Sen Pires Leal Ver menos

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *