‘Bolsonaro quer golpe para fugir da cadeia’, diz Boulos

O coordenador nacional do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), Guilherme Boulos (PSOL) disse hoje que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pretende dar um “golpe” para conseguir “fugir da cadeia”.

Por Redação UOL
Compartilhado por
Central de jornalismo
29 de agosto de 2021

As declarações de Boulos acontecem no mesmo dia em que o chefe do Executivo federal afirmou em um culto em Goiânia que seu futuro está pautado em três alternativas: “estar preso, ser morto ou a vitória”.

Bolsonaro: “Tenho três alternativas: estar preso, ser morto ou a vitória”. Bolsonaro sabe o que o espera. Ele quer um golpe para fugir da cadeia
Guilherme Boulos

Bolsonaro também disse que “não deseja provocar rupturas” institucionais, mas que “tudo tem limite”. A frase que estimulava evangélicos a participarem de atos no 7 de Setembro foi interpretada por opositores como uma nova ameaça golpista do presidente.

“Digo uma coisa aos senhores. Tenho três alternativas para o meu futuro: estar preso, ser morto ou a vitória. Pode ter certeza: a primeira alternativa, preso, não existe. Nem um homem aqui na Terra vai me amedrontar. Tenho a consciência de que estou fazendo a coisa certa. Não devo nada a ninguém. E ninguém deve nada a mim também”, disse Bolsonaro.

Preparativos para manifestação

O presidente Jair Bolsonaro confirmou que pretende comparecer às manifestações a favor da gestão federal, agendadas para o feriado de Independência do Brasil. Durante a manhã, Bolsonaro estará em Brasília e no período da tarde acompanhará o ato na Avenida Paulista, em São Paulo.

Para cativar o eleitorado e mandar recados aos adversários, Bolsonaro discursou por volta de 20 minutos no 1° Encontro Fraternal de Líderes Evangélicos da Conemad-GO (Convenção Nacional das Assembleias de Deus do Ministério de Madureira).

Mais uma vez, o presidente atacou o STF (Supremo Tribunal Federal), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e a CPI da Covid — que investiga as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia.

Temos um presidente que não deseja e nem provoca rupturas. Mas tudo tem um limite em nossa vida. Não podemos continuar convivendo com isso Jair Bolsonaro

Desde a campanha eleitoral de 2018, os evangélicos são o segmento religioso em que Bolsonaro tem o maior apoio, segundo as pesquisas de diversos institutos.

Com a aproximação do pleito de 2022, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece em destaque nas intenções de voto, enquanto o atual chefe do Executivo federal tem a popularidade em queda.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *