Guia ajuda público a entender classificação de produtos na Ceasa-DF

Fonte: Agência Brasília

Você sabe o que é banana de primeira, batata especial ou tomate extra? Essas expressões são comumente ouvidas  entre os frequentadores da Ceasa-DF e tratam da classificação de frutas e verduras. Por meio dessas denominações, os comerciantes determinam o preço de seus produtos.

“A classificação é fundamental para garantir a transparência na comercialização e na remuneração de todos os elos de uma cadeia produtiva” – Fábio Sousa, presidente da Ceasa-DF

Por isso, a Seção de Agroqualidade e Segurança Alimentar (Seagro) da central de abastecimento resolveu publicar o Guia de Frutas e Hortaliças Comercializadas na Ceasa-DF, com o objetivo de fornecer ao público informações para que entenda o processo de classificação dos principais alimentos comercializados.

“A classificação é fundamental para garantir a transparência na comercialização e na remuneração de todos os elos de uma cadeia produtiva”, explica o presidente da Ceasa-DF, Fábio Sousa.

De saída, a publicação explica que os produtos classificados como “extra, primeira ou especial”, por exemplo, são de maior valor comercial, pois passaram por processo de seleção, são mais bonitos, os frutos são uniformes tanto no tamanho como no diâmetro e não possuem defeitos que depreciam o produto.

Clique na imagem para acessar o guia

Já os produtos classificados como “segunda” possuem o mesmo valor nutricional do extra, primeira ou especial. No entanto, possuem valor comercial inferior, são menos atrativos, pois apresentam tamanhos e diâmetros variados ou defeitos que depreciam seu valor.

Muito mais detalhes sobre frutas e verduras serão fornecidas no guia, que poderá ser acessado online, no site da Ceasa, e trará a cada bimestre informações completas sobre uma fruta ou verdura. Para estrear, o assunto é banana. No guia, é possível entender tipos da fruta, caracterização e dados nutricionais, por exemplo. O próximo texto será sobre batata.

*Com informações da Ceasa-DF

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *