Diretoria do IGES/DF quer trocar contrato de R$70 milhões por outro de R$170 milhões

[09:58, 25/05/2022]: Por Dantas Filho
Compartilhado por
Central de Jornalismo
24 de maio de 2022

A diferença de 100 milhões, se concretizada poderá gerar um escândalo que irá envolver aliados do Governador do DF, como o presidente do Instituto de Gestão Especializada em Saúde de Brasília, órgão do governo distrital que gerencia ações da Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Com toda certeza o governador Ibaneis Rocha, não sabe, mas bem debaixo do seu nariz pode estar acontecendo nesse momento uma injustificável troca de fornecedores de alimentação para hospitais públicos do distrito federal de maneira sorrateira e injustificada. Segundo denúncia recebida pelo portal através de fonte externa que porém atua dentro do IGES sob garantia de sigilo por razões de segurança; A atual diretora do órgão doutora Maria de Jesus estaria por agindo a mando do seu atual companheiro, que há muito vem negociando vantagens por fora em contratos da entidade, para desqualificar e retirar do contrato de fornecimento de alimentação para o hospital de Base e 15 UPAS da capital federal a Salutar Alimentação empresa vencedora de certame legítimo que oferece 27 mil refeições dia com valor mensal de aproximadamente 3 milhões de reais, dos quais tem só recebido com atrasos 70% do valor. Essa manobra faz parte de uma operação para tirar a Salutar do processo, empurrando para dentro do fornecimento a segunda colocada na licitação VOGUE ALIMENTAÇÃO com o valor três vezes maior. Na prática o pagamento mensal subiria dos atuais 3 milhões para QUASE 9 milhões, sem aumento no número de refeições ou mudança no cardápio servido nas unidades de saúde. Além disso, de forma arbitrária a direção estaria tirando a Salutar do contrato sem dar a mesma prazo carencial para que se justifique com relação a má prestação de serviços o que nunca aconteceu a não ser pelos atrasos no pagamento e negativa em se negociar o reequilíbrio econômico do contrato, item previsto no edital que a venceu legitimamente.
Em oposição a essa realidade, por razões desconhecidas “estão levando a efeito uma manipulação sórdida liderada pelo companheiro da presidente com a criação de fake News disseminadas na imprensa de fatos jamais ocorridos” revelou a fonte da denúncia,
citando como exemplo: O encontro de larvas na comida produzida. As fotos do “achado” publicadas em sites jornalísticos já teriam sido analisadas por peritos especializados em fraudes, onde constatou-se serem desproporcionais o tamanho dos “vermes” encontrados em refeições da Salutar em relação aos pratos onde teriam sido encontrados. Curioso é que essas mesmas situações já foram divulgadas em relação justamente a VEGA ALIMENTAÇÃO com ampla cobertura da imprensa à época dos fatos.
Já em relação acusações contra a Salutar nada foi comprovado e jamais relatadas de forma oficial a quem quer que fosse.
Segundo apuramos, essa conclusão sobre falsas denúncias com a tentativa de rompimento do contrato de forma unilateral e sem justa causa
já teria sido levada de maneira oficial ao MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS numa representação que visa garantir a continuação do contrato e principalmente a manutenção dos 510 empregos da Salutar que pretende lutar em todas as frentes pelo seu direito, inclusive o da aplicação do reequilíbrio econômico da sua atividade previsto na licitação, isso porque a pandemia combinada com a alta da inflação influenciou os custos de produção, após o aumento exagerado no preço de insumos relacionados a sua atividade. Em alguns casos, a variação chega a mais de 150% nos últimos meses. Vem pesando na elevação dos custos de empresa, o gás de cozinha, combustíveis, energia elétrica entre outros. Atualmente a Salutar recebe 9 reais por cada refeição servida . A troca pela segunda colocada supostamente “goela abaixo” pela atual diretoria aumentaria para aproximadamente 26 reais cada prato servido nos hospitais. Se for mesmo assim, ainda que o reequilíbrio das contas da Salutar atinja 100% do preço atual, não seria igual ou maior que os 26 reais propostos pela segunda colocada que seria chamada no seu lugar já que só pede a correção da inflação para continuar prestando o serviço com mais efetividade e menos prejuízo.
Para essa fonte bem informada, atualmente a Salutar esta sendo “fritada” pois dos 2,5 milhões que vem recebendo em média por mês, tem sido obrigada a desembolsar mais outros 2 milhões de reais, para atender o contrato, numa conta que não sai por menos de 4,5 milhões de reais a cada 30 dias.
Nossa equipe procurou representantes oficiais da Salutar, do IGES e da VEGA, segunda colocada que estaria sendo beneficiada por essas ações comandadas pelo companheiro da dirigente do IGES/DF. MARIA DE JESUS mas não tivemos êxito em obter respostas a respeito da denúncia que recebemos e que ora publicamos com toda cautela, dando aos supostos envolvidos o instituto da dúvida e presunção de inocência.
Em face disso nossa equipe continuará apurando esses fatos que podem levar a confirmação de possível escândalo de natureza gravíssima ou desfazer, se for o caso, algum mal entendido.
Cumprindo seu dever de levar informação com credibilidade o portal mantém aberto esse espaço democrático destinado para partes envolvidas darem sua versão sobre mais esse suposto imbróglio que envolve o governo do GDF em pleno ano eleitoral.

*A Central de Jornalismo se isenta em opinar sobre matérias compartilhadas de terceiros, apenas se coloca como veículo noticiador. Todas as responsabilidades sobre matérias compartilhadas são unicamente dos autores

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *