Erro grosseiro de Bolsonaro coloca o Brasil no final da fila da vacina-Por Central de Jornalismo

Por Guilherme Toledo Barbosa/Ihu

  • Central de Jornalismo

Em abril de 2020 o Brasil foi convidado a fazer parte da Covax, a Aliança Mundial de Vacinas, uma coalizão de 165 países para garantir vacina contra a Covid-19. Pelas normas da Covax, o Brasil poderia encomendar mais de 200 milhões de doses (o equivalente à 50% da população brasileira). Pela sua população o país automaticamente estaria entre os 5 primeiros países a receber as vacinas. Em 04 de maio o presidente Jair Bolsonaro se recusou a fazer parte da Covax.
Em 15 de agosto de 2020 a gigante estadunidense Pfizer procurou o governo brasileiro para oferecer a venda de 70 milhões de doses da vacina. No e-mail enviado pela Pfizer havia a garantia que estes 70 milhões estariam à disposição do Brasil ainda em dezembro de 2020. Segundo Carlos Murillo, CEO da Pfizer, a empresa nunca obteve uma resposta do governo brasileiro.
Em 20 de outubro de 2020 o Ministro da Saúde Eduardo Pazuello anunciou a compra de 46 milhões de doses da Coronavac. Em menos de 24 horas após o anúncio do Ministro da Saúde, o presidente da República, Jair Bolsonaro desautoriza Pazuello e suspende compra da vacina CoronaVac.
Se você está comemorando os 6 milhões de doses (que não foram suficientes nem para vacinar metade dos profissionais da saúde na linha de frente), lembre-se que poderíamos estar realmente saindo desta pandemia com os 316 milhões de doses que o presidente Bolsonaro se recusou a comprar!

Para ficar bem claro:
6 milhões de doses foram suficientes para vacinar 1,4% da população!
316 milhões de doses seriam suficientes para vacinar 78% da população!

Com estes 316 milhões de vacinas importadas, o Instituto Butantan e a Fiocruz teriam tempo de sobra para produzir as 12% de doses que faltariam para vacinar todos no Brasil (e ainda aquecer a economia com a exportação das doses excedentes). Ou seja, se você ainda não tem a mínima ideia de quando será vacinado, agradeça ao presidente Bolsonaro.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *