Morte de menino que foi estuprado e queimado vivo por pastores da Universal completa 20 anos sem justiça-Central de Jornalismo

O adolescente de 14 anos foi torturado, estuprado e assassinado por pastores da Igreja Universal em 21 de março de 2001

Por Henrique Santiago
Metrópoles
Compartilhado por
Central de Jornalismo
21 de março de 2021

São Paulo – Marion Terra, 62 anos, carrega na voz a saudade do filho, morto há exatos 20 anos. O adolescente Lucas Terra, 14, foi estuprado, queimado vivo e assassinado por pastores da Igreja Universal do Reino de Deus, império construído pelo bispo Edir Macedo, em Salvador, capital da Bahia, em 21 de março de 2001.

By Clever Advertising
O crime que assombrou o Brasil chega a duas décadas sem resolução. Apenas um dos três criminosos foi condenado, e cumpriu só uma parte da pena. Marion desabou ao saber da possibilidade de prescrição da pena dos outros dois réus. Ela concedeu entrevista exclusiva ao Metrópoles para explicar como sua vida tem sido dedicada à busca de justiça.

Na virada para 2001, a família Terra iria se mudar para Parma, na Itália, onde trabalharia em um restaurante. Marion pegou o avião do Rio de Janeiro para o continente europeu antes de todos, nos últimos dias de dezembro de 2000. O marido, Carlos Terra, e os filhos, incluindo Lucas, passaram uma temporada de verão na capital baiana, onde um dos irmãos de Lucas morava.

Em janeiro de 2001, Lucas Terra, um jovem religioso, começou a frequentar a Igreja Universal no bairro de Santa Cruz. A identificação com o evangelho foi tamanha que ele dedicava dia e noite para a obra de Deus, conta Marion. Lucas e uma dezena de jovens visitavam favelas, doavam roupas e tentavam evangelizar crianças.

conteudo patrocinado
Se o seu cão lambe as patas, Especialista diz para você fazer isso
PETVI
Se o seu cão lambe as patas, Especialista diz para você fazer isso
Um jovem devotado à igreja
Por telefone, o jovem dizia à Marion que se sentia desencantado com a Europa, e que sua vontade era permanecer no Brasil. Sua maior intenção era ser obreiro da Universal, um passo acima da função que ele ocupava, de assistente de obreiro. Na prática, esse religioso atua diretamente com o pastor na organização do templo e das atividades, por exemplo.

Lucas também estava apaixonado pela namorada, que ia à mesma igreja. Ele tinha como mentor o pastor Sílvio Galiza, que comandava a unidade.

Na noite de 21 de março, o adolescente estava prestes a conquistar o seu sonho. Galiza chamou somente Lucas, que participava de um grupo, para ir de ônibus à Universal da Pituba, a quatro quilômetros da igreja em Santa Cruz, para receber a gravata de obreiro.

De acordo com o testemunho do criminoso, Lucas flagrou os pastores Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda Macedo em ato sexual no templo. Essa foi a razão apontada por Galiza, em depoimento feito em 2008, para o assassinato do jovem.

Lucas foi queimado vivo
Lucas Terra foi levado à força para outro templo da Universal, em Rio Vermelho, onde foi torturado e abusado sexualmente. Ele foi colocado dentro de um caixote e carbonizado vivo em um terreno baldio na Avenida Vasco da Gama, em Salvador. Testemunhas disseram à época que Galiza mantinha uma relação de dominação sobre o jovem.

O corpo do adolescente de 14 anos só foi encontrado em 23 de março, enquanto seu pai, Carlos, procurava seu paradeiro sem comunicar a esposa. Marion só soube do assassinato do filho caçula duas semanas depois, e retornou ao Brasil no início de abril.

Ao desembarcar no país, a mãe de Lucas Terra esperou 43 dias para enterrar o corpo do filho, após o Instituto Médico Legal (IML) realizar o exame de DNA. A família Terra passou a enfrentar demora no andamento do inquérito, que foi concluído em outubro de 2001.

Carlos Terra protestava nas ruas, na porta do Fórum Ruy Barbosa e participava de palestras para relatar o caso. O casal enviou uma carta à Organização das Nações Unidas (ONU) para questionar a demora no processo e como Galiza, que morava na periferia, pagava um time de advogados. A pressão resultou no primeiro julgamento do pastor, em junho de 2004.

Lucas Terra ainda criança
Lucas Terra ainda criançaArquivo Pessoal
Marion Terra, mãe de Lucas
Marion estava fora do Brasil quando soube da morte do filhoArquivo Pessoal
Mãe de Lucas Terra segura livro que conta a história do assassinato de Lucas Terra
O pai de Lucas, Carlos Terra, escreveu um livro sobre a morte do filho
O adolescente Lucas Terra
Lucas Terra era religioso e frequentava a Igreja UniversalArquivo Pessoal
O adolescente Lucas Terra
Ele foi estuprado, torturado e queimado vivoArquivo Pessoal
Lucas Terra ainda criança
Lucas Terra ainda criançaArquivo Pessoal
Marion Terra, mãe de Lucas
Marion estava fora do Brasil quando soube da morte do filhoArquivo Pessoal
11
2
3
4
5
Das denúncias vieram as ameaças
Foi mais ou menos nessa época que começaram as ameaças. “Eu recebia ligações de pessoas dizendo para eu parar de denunciar a igreja, que era para eu me preocupar com os meus filhos, que estávamos manchando a imagem da Universal. Tentaram de todas as formas nos intimidar”, afirma Marion Terra.

Nessa época, a família de Marion mudava de casa praticamente todo mês, para se proteger de outras possíveis tentativas de intimidação. Ela afirma que a Igreja Universal do Reino de Deus tem atuado para impedir a condenação dos três pastores. O Metrópoles entrou em contato com a Universal, que não respondeu ao pedido de declaração até a publicação desta matéria. O espaço segue aberto.

Galiza foi condenado inicialmente a 23 anos e cinco meses de prisão. Após recurso dos advogados, a pena caiu para 18 anos e, posteriormente, 15 anos. O pastor foi acusado por homicídio qualificado com motivo torpe e ocultação de cadáver. Ele cumpriu sete anos e segue atualmente em liberdade condicional.

Três envolvidos no assassinato
Os outros acusados, Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda Macedo, entraram em cena em 2008, ano em que foi aberto um processo contra ambos, após depoimento de Galiza. Em 2010, receberam habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF) e, três anos depois, foram inocentados em novembro por alegação de falta de provas. A família de Lucas Terra recorreu da decisão.

Em 2015, o Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) decidiu que Silva e Macedo teriam que enfrentar um júri popular. O ministro do STF Ricardo Lewandowski barrou a decisão, adotando a tese da falta de provas, em novembro de 2018. Entretanto, após novo recurso, o órgão decidiu, por meio da ministra Cármen Lúcia, em setembro de 2019, que os pastores seriam julgados, descartando a chance de novos recursos.

Antes de o STF bater o martelo em definitivo, porém, Carlos Terra sofreu uma parada respiratória decorrente de uma cirrose hepática e morreu, aos 65 anos. Marion está convencida de que a decisão de Lewandowski acabou com qualquer esperança do marido.

Desde a morte do filho, Carlos Terra não se alimentava direito, não ia ao médico, tampouco deixava a Bahia por medo de reviravoltas no caso. A única exceção foi no início de 2018, quando o casal viajou para Roma. Foi lá que os dois descobriram, em novembro, que o processo havia sido anulado. Pai e filho estão enterrados no mesmo cemitério, um do lado do outro. “Ele já estava doente e definhou até 2019”, lamentou Marion.

Pandemia atrasa júri popular
Veio a pandemia de Covid-19 em março de 2020 e atrasou novamente a data de julgamento dos réus. A reportagem pediu ao TJBA informações sobre o andamento do caso.

“O processo é físico, possui vários volumes. Estamos aguardando a unidade onde tramita o processo analisar as peças digitais para que possamos responder a demanda”, informou, em nota, a assessoria de imprensa do órgão.

Por conta do novo coronavírus, o deputado federal Guilherme Derrite (PP-SP) apresentou o Projeto de Lei (PL) 2684/10. O texto indica a suspensão da contagem do prazo de prescrição de crimes durante a vigência de estado de calamidade pública provocado por surto, epidemia ou pandemia. O documento está em tramitação na Câmara.

A advogada Tuany Sandes Cardoso, que atua como assistente de acusação de Marion Terra, explicou à reportagem o que pode acontecer no tribunal daqui para frente. Ela conta que o caso Lucas Terra a motivou a se especializar na área criminalista.

Mais sobre o assunto

Infância roubada: pastor estuprou meninos de igreja do DF por 16 anos
Pastor é preso por manter pacientes de clínica em cárcere privado
Mulher acusa pastor de assédio nos fundos de igreja em Campo Grande
Traições, ódio e dinheiro: conheça detalhes sórdidos que cercam morte do pastor Anderson do Carmo
Riscos de não serem presos
De acordo com Tuany, eles sentarão no banco dos réus, mas existe a chance de não cumprirem a pena, se a Justiça brasileira retardar a entrega de recursos. Caso condenados, eles poderão recorrer ao Tribunal de Justiça, ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo Tribunal Federal.

Assim que passar a pandemia, Marion acredita que será possível sentar novamente frente à frente com os acusados. Ela descarta o julgamento virtual.

“No Código Penal e Código de Processo Penal existem causas interruptivas e suspensivas da prescrição punitiva. Não existe risco de acontecer a prescrição antes do tribunal do júri. O que pode acontecer é a prescrição da pretensão executória, que vai depender de quando eles irão entrar, se eventualmente forem condenados, no sistema penitenciário”, esclarece a advogada.

Uma condenação para a família Terra
Religiosa e frequentadora da Assembleia de Deus, a mãe de Lucas Terra classifica a Igreja Universal do Reino de Deus como uma “empresa que está manchada com o sangue” de seu filho. Para ele, tanto Silvio Galiza quanto Fernando Aparecido da Silva e Joel Miranda Macedo são “lobos travestidos de pastores”.

Ela diz não odiá-los, mas quer que eles paguem pelo crime. Sem o marido por perto há dois anos, ela diz encontrar força em Deus para seguir em frente.

“Minha vida tem sido difícil, de altos e baixos, mas sempre procurei me fortalecer, me manter em pé. Carrego uma sensação de impotência muito grande, é como se a condenação fosse de fato para nós. Primeiro vieram os 20 anos e agora parece que vai se estender para toda a vida”, finaliza.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *