O que aconteceu com jornalista alemão que tentou convencer a população de que Hitler era um idiota e genocida?

Por Adriana de Paula/Iconografia da História

Compartilhado por
Central de Jornalismo
30 de março de 2021

Carl Albert Fritz Gerlich foi um historiador e jornalista alemão que desempenhou um papel fundamental na imprensa de resistência contra Adolf Hitler.

Gerlich nasceu em Stettin, Pomerania, em 15 de fevereiro de 1883. Em 1902, formou-se em matemática e ciências naturais na Universidade de Munique. Em seguida, estudou história e, após a conclusão de seu doutorado, passou a atuar como arquivista e a publicar artigos de cunho político. Em 1917, ingressou no Partido Pátria Alemã e, em 1919, publicou um livro intitulado a “Teoria do Reich de Mil Anos”, no qual comparava o comunismo a uma redenção religiosa e denunciava o antissemitismo.

Entre os anos de 1920 a 1928, Carl Gerlich foi editor-chefe do “Münchner Neueste Nachrichten” (MNN), um predecessor do jornal “Süddeutsche Zeitung”, um dos maiores do sul da Alemanha. Em suas publicações, ele deixava explícita sua oposição ao nazismo e caracterizava o partido de Hitler como assassino, tornando-se um dos jornalistas mais críticos do regime.

CONTEÚDO PROMOVIDO
Mgid
Mgid

Milionário de Goiás: Desempregado, mas tem muito dinheiro
Bitcoin Lucro

Comece a ganhar dinheiro com Bitcoin sem comprar Bitcoin
Bitcoin System

Milionária de 22 anos de Goiás vazou seu esquema de ganhos!
Bitcoin Bank

Em 1929, Gerlich voltou a trabalhar no Arquivo Nacional da Baviera e foi incentivado por um círculo de amigos a criar um jornal político semanal. Com o apoio do Príncipe Waldburg-Zeil, ele assumiu o jornal “Illustrated”, o qual foi rebatizado como “Der Weg Gerade”, em 1932. Com uma linha editorial que deixava marcada sua oposição ao comunismo, nacional socialismo e antissemitismo, o olhar crítico para o crescimento do nazismo tornou-se uma marca da produção de Carl Fritz, que via nos ideais nazistas um caminho para o ódio, a tirania, a guerra e o fratricídio sem limites.

Em um de seus artigos, ele mostrava como a teoria racial de Hitler era ridícula e provava que o próprio líder nazista não era ariano, tal como afirmava. Tecia duras críticas à ideia de Hitler de que ele nunca precisava explicar o que fazia, bastando-lhe que seus seguidores fizessem cegamente aquilo que mandava. Para Carl Fritz, isso era mais uma prova de que Hitler era um bastardo e não se encaixava na abominável teoria racial que tanto defendia.

Em 1933, quando os nazistas tomaram o poder, Gerlich foi preso e enviado para o campo de concentração de Dachau, onde morreu em junho de 1934, no episódio que ficou conhecido como “Noite das Facas Longas”, momento em que Hitler mandou executar diversos opositores de seu regime. Gerlich fez do jornalismo sua bandeira de luta contra o regime nazista. As duras críticas que tecia em seus textos renderam-lhe a prisão e a morte, mas ele deixou sua voz registrada através de seus escritos e afirmou em um de seus artigos que, em tempos de opressão e ódio, “a pior coisa que podemos fazer, o pior absoluto, é não fazer nada”.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *