“Chico Bomba” e “barão italiano do ecstasy”: os donos da cocaína na FAB

Por Josmar Josino e José Dacau/UOL
Compartilhado por
Central de Jornalismo
01 junho de 2021

A Polícia Federal aponta um grupo de quatro autointitulados empresários de Brasília como os traficantes que corromperam militares da FAB (Força Aérea Brasileira). Entre eles, o filho de um diplomata italiano, Michelle Tocci. Os outros são Marcos Daniel Penna Borja Rodrigues, o Chico Bomba, Augusto César de Almeida Lawal e Márcio Moufarrege.

Três deles foram alvos de mandados de buscas e apreensão —expedidos pela juíza federal Pollyana Kelly Maciel Medeiros Martins Alves— durante a Operação Quinta Coluna, deflagrada pela Polícia Federal em Brasília no dia 2 de fevereiro deste ano.

As investigações da PF apontam Chico Bomba como chefe da organização criminosa. Os agentes apuraram que ele foi apresentado a militares da FAB por Augusto César e Márcio Moufarrege

Documentos apreendidos em um dos endereços relacionados a Chico Bomba o ligam a Márcio Moufarrege e também ao sargento da Aeronáutica Jorge Luiz da Cruz Silva, acusado de recrutar os militares para o tráfico de drogas com o uso dos aviões da FAB.

A documentação se refere a um imóvel no lago Paranoá, em Brasília (DF), adquirido por Jorge em 2012. Os agentes federais descobriram que há um contrato de transferência do imóvel para Márcio Moufarrege. Os pagamentos do aluguel eram feitos para o sargento.

A PF também recebeu informações de um colaborador anônimo e afirma que checou todas elas criteriosamente. O denunciante revelou que Chico Bomba e Michele Tocci, filho de ex-adido cultural da Embaixada da Itália no Brasil, já mantiveram ligações em um esquema criminoso envolvendo o tráfico internacional de drogas.

Em 2003, Tocci e Augusto César foram alvo da Operação Conexão Holanda, deflagrada pela Polícia Civil do Distrito Federal para combater uma quadrilha que contratava “mulas” para levar cocaína a Amsterdã (Holanda) e de lá trazia haxixe, ecstasy e skank para Brasília.

Barão do ecstasy

Foi a partir daí que Michele Tocci passou a ser chamado de “barão do ecstasy”. As drogas eram distribuídas para jovens de classe alta do Distrito Federal em raves. Augusto César foi preso em Florianópolis.

Tocci conseguiu fugir em um veículo. Porém, no início de setembro de 2008, ele foi preso.

No julgamento em primeira instância, ele foi condenado a seis anos de prisão. A defesa dele recorreu e a Justiça reduziu a pena para um ano e oito meses.

Os advogados de Michelle Tocci afirmam que seu cliente é inocente. Os defensores de Chico Bomba alegam também a inocência de seu cliente, mas dizem não poder se pronunciar sobre o caso, pois se trata de um processo em segredo de Justiça. Os advogados dos outros dois acusados não foram localizados pela reportagem.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *