‘Insanidade completa’: O Brasil infectado pelo vírus concorda em sediar torneio de futebol

O Brasil perdeu 207.000 pessoas para a Covid-19 apenas nos últimos três meses, mas o presidente Jair Bolsonaro decidiu sediar a Copa América, argumentando: “Temos que viver”.

Por The New York Times
By Flávia Milhorance and Ernesto Londoño

Tradução Kleber Moraes
Compartilhado por
Central de Jornalismo
02 de junho de 2021

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, confirmou que seu país sediará a Copa América 2021, na terça-feira.
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, confirmou que seu país sediará a Copa América 2021, na terça-feira. Crédito … Eraldo Peres / Associated Press
Por Flávia Milhorance e Ernesto Londoño
2 de junho de 2021, 12h53 ET
RIO DE JANEIRO – Os organizadores do principal torneio de futebol da América do Sul estavam em uma situação difícil.

Colômbia e Argentina, anfitriões originais do torneio, a Copa América, foram eliminados, julgando impossível receber centenas de jogadores e seus acompanhantes enquanto a pandemia do coronavírus assolava o continente.

Esta semana, um jogador improvável deu um passo à frente.

“A Copa América será no Brasil!” Alejandro Domínguez, presidente da federação sul-americana de futebol, CONMEBOL, anunciou segunda-feira, agradecendo ao presidente Jair Bolsonaro do Brasil por salvar o dia.

A reação foi murchando.

O Brasil tem uma média de mais de 60.000 novos casos de coronavírus a cada dia. Só nos últimos três meses, as autoridades de saúde registraram mais de 207.000 mortes. O fracasso do governo em controlar o contágio e vacinar seu povo rapidamente tem sido o foco de um inquérito parlamentar televisionado que irritou e fascinou os brasileiros.

“Isso é uma loucura completa”, disse Miguel Nicolelis, neurocientista da Duke University que acompanha a disseminação do vírus no Brasil, seu país natal. “É como se Roma estivesse pegando fogo e Nero quisesse um jogo de futebol no Coliseu para comemorar.”
Líderes do painel do Congresso que investiga a resposta do governo à pandemia reagiram com incredulidade e disseram que pretendiam convocar o chefe da federação de futebol do Brasil para testemunhar.

“É ilógico realizar um evento internacional”, disse o senador Omar Aziz, chefe do painel. “Não temos nada para comemorar”.

Obrigado por ler o The Times.
Assine o The Times
Ricardo Lewandowski, juiz da Suprema Corte, ordenou que o governo fornecesse um plano detalhado para o torneio, citando a “emergência de saúde pública”.
ImageO Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. O Brasil sediará a próxima Copa América, inicialmente marcada para ser disputada na Colômbia e na Argentina.
O Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. O Brasil sediará a próxima Copa América, inicialmente marcada para ser disputada na Colômbia e na Argentina. Crédito … Buda Mendes / Getty Images
Logo após o anúncio do novo local para o campeonato, os brasileiros postaram na internet memes de um caixão chutando uma bola em forma de vírus. Eles perseguiram os organizadores com a hashtag #CovaAmerica, que significa sepultura em português.
“O túmulo das Américas está chegando muito mais rápido do que as vacinas ou o bom senso”, disse o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que foi demitido em abril de 2020 depois de discutir com Bolsonaro sobre medidas para conter o vírus. “É um gol contra a vida. Só o vírus está comemorando ”.

O anúncio foi feito dois dias depois que dezenas de milhares de manifestantes antigovernamentais tomaram as ruas em cidades de todo o Brasil. O torneio oferece aos líderes da oposição uma nova linha de ataque contra Bolsonaro, cuja popularidade sofreu um golpe nos últimos meses, à medida que a raiva sobre o estado da pandemia e a economia se aprofundaram.

Ao explicar sua decisão de sediar o campeonato, Bolsonaro não sinalizou nenhuma preocupação com o risco político que isso representa pouco mais de um ano antes de ele se candidatar à reeleição. Mais de 465.000 pessoas morreram no Brasil com o vírus, o maior número de vítimas do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

“Desde o início da pandemia, tenho dito: lamento as mortes, mas temos que viver”, disse Bolsonaro na terça-feira. “Este é um assunto resolvido.”

Luiz Eduardo Ramos, membro do gabinete que atua como chefe de gabinete de Bolsonaro, argumentou na segunda-feira que o torneio não se transformaria em um evento superdimensionado. Ele disse que o governo havia solicitado que cada uma das 10 equipes participantes limitasse seu séquito a 65 pessoas, todas vacinadas.

Ramos considerou o clamor pela Copa América injustificado, já que outras competições de futebol foram realizadas no Brasil nas últimas semanas. “Os jogos estão sendo disputados em todo o Brasil”, disse ele.
O governo anunciou na terça-feira que os jogos da Copa América serão disputados na capital, Brasília, e nos estados de Mato Grosso, Goiás e Rio de Janeiro, que deve sediar a final.

As unidades de terapia intensiva nas quatro jurisdições têm menos de 20% dos leitos disponíveis, segundo análise do jornal O Globo. Todos estão aquém da média nacional para a porcentagem de pessoas que foram totalmente vacinadas: 10,5 por cento.

Natalia Pasternak, microbiologista de São Paulo que é presidente do Question of Science Institute, disse que o número de pessoas necessárias para organizar um grande torneio esportivo inevitavelmente aumentaria o risco de contágio. Mas o maior problema, disse ela, era a falsa sensação de segurança que o evento geraria.

“É irresponsável”, disse ela. “Envia a mensagem de que a pandemia está sob controle, que está tudo bem, que a vida voltou ao normal para que possamos assistir ao futebol”, disse ela. “Essa não é a mensagem que queremos transmitir.”

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *