Espaço cultural Semente e Cia de teatro do Gama sofre ataques criminosos

Quem rouba a nossa cultura?

Por Central de Jornalismo
11 de abril de 2021

O Espaço Semente foi invadido por ladrões, roubaram-nos equipamentos fundamentais para darmos seguimento ao nosso trabalho.

São caros esses equipamentos.

Por isso, é com pesar e indignação que nós, artistas vinculados ao Semente Cia de Teatro, vimos denunciar mais um ataque à cultura do Gama.

Não bastasse termos espaços culturais históricos que se encontram fechados e abandonados pelo poder público, agora os poucos espaços que nos restam sofrem ataques de marginais, e isso resulta de uma completa falta de segurança.

Não pela falta de segurança do Espaço, os ladrões tiveram que arrombar nada menos que 14 cadeados grandes, mas se acharam com liberdade para criminar.

Não é a primeria vez que somos vítimas de furto, causa do-nos prejuízo material e financeiro, para além do prejuízo financeiro.

Lembremos que a nossa constituição, diz em seu Art.215: “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais”.

Ora, incentivar e valorizar também é dar segurança.

​O Espaço Semente é um espaço cultural situado na cidade do Gama em prédio cedido por concessão pública, e a 14 anos promove gratuitamente a comunidade o ensino e a prática das artes.

Embora o prédio seja cedido, todos os gastos tanto com a estrutura física do local, quanto com as atividades realizadas pelo mesmo, são ônus de seus criadores e mantenedores, que são servidores da rede pública de educação do DF e doam seu tempo e trabalho ao espaço.

​Vale ressaltar que o prédio que hoje funciona o Espaço Semente outrora encontrava-se abandonado, servindo de morada e abrigo para pessoas em situação de rua e dependentes químicos.

Com o investimento feito pela administração do Espaço artístico, foram implementadas benfeitorias em infraestrutura como: arquibancadas, iluminação, alambrados, banheiros, copa-cozinha e sonorização dentre outros.

Contudo, falta ainda uma parceria efetiva do Estado para que o Espaço possa se manter seguro aos ataques que vem sofrendo por marginais nestes últimos meses.

É necessário que a administração pública cumpra seu papel e garanta segurança e recursos para que este tipo de violência não ocorra novamente.

A arte salva, salve a arte!

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *