Bolsonaro é uma tragédia em todos os sentidos-Por Kleber Moraes

Central de Jornalismo
Por Kleber Moraes
16 de maio de 2021

O negacionismo de Bolsonaro, desde seu primeiro discurso sobre o CoronaVirus “isso é uma gripezinha”, arrastou quase meio milhão de brasileiros para a morte, ou seja, três vezes o número de mortos em Hiroshima, quando foi bombardeada pelos americanos.

A tragédia não para por aí, pois, conforme os mesmos especialistas que afirmaram que chegaríamos a 500 mil mortos em junho, apontam agora que o Brasil terá uma terceira onda do vírus, que é ainda mais letal e que chegará no momento em que o país não tem perspectivas de compras de vacinas e deixa quase 50% dos seus idosos com mais de 80 anos sem a segunda dose da vacina.

Diante disso e de vários outros fatos já levantados na CPI, pode se afirmar que Bolsonaro é uma tragédia sem precedentes no Brasil é caminha a passos largos para enfrentar processo criminal por genocídio.

Leia mais no UOL >>>>>

Após 4 meses, Brasil deixa 47% dos idosos com mais de 80 anos sem 2ª dose

Por Carlos Madeiro/UOL
Compartilhado por
Central de Jornalismo
16 de maio de 2021

Depois de quatro meses do início da vacinação contra a covid-19 no país, apenas o grupo prioritário de idosos que vivem abrigados atingiu 70% de cobertura vacinal completa (ou seja, as duas doses dos imunizantes). Essa faixa de pessoas vive em asilos e clínicas.

O dado foi apurado junto ao Ministério da Saúde e consta em um estudo feito por professores e pesquisadores da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e USP (Universidade de São Paulo).

Eles alertam que o ritmo da vacinação é lento no Brasil, com diferenças entre os grupos e regiões e com inclusão indevida de grupos mesmo antes dos prioritários alcançarem índices adequados. Eles recomendam que sejam alcançadas coberturas vacinais altas, preferencialmente acima de 90%.

Idosos longe da imunização

Dos grupos prioritários, os idosos abrigados alcançaram 100% das segundas doses e são os únicos totalmente protegidos da covid-19 no país hoje por vacinação.

Entretanto, esse percentual tem uma ressalva: não há números 100% confiáveis de idosos abrigados.

“Cabe observar que as coberturas acima de 100% registradas em pessoas com mais de 60 anos institucionalizadas pode estar relacionada a uma estimativa inicial inadequada sobre o tamanho desta população”, afirma Mário Scheffer, do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP e um dos autores do estudo.

O balanço leva em conta as 46 milhões de doses aplicadas até o dia 11 de maio. “Dentre aqueles com 80 anos e mais, 91% foram vacinados com a primeira dose e 53% com a segunda dose. Ou seja, quase metade dos que têm acima de 80 anos”, cita.

Nós temos 47% dos idosos com mais de 80 anos sem a segunda dose, e eles são altamente vulneráveis. É preciso lembrar que eles foram os primeiros convocados e chegar a essa altura com esse número é preocupante.
Mário Scheffer, pesquisador

Ainda há disparidades marcantes ente os estados. Enquanto o Tocantins conseguiu imunizar 89% dessa faixa etária com duas doses, Acre, Ceará, Pernambuco e Sergipe estavam com apenas 43% deles com ciclo vacinal completo.

Da primeira dose, apenas oito estados conseguiram alcançar 100% dos idosos de 80 anos ou mais vacinados. Nessa faixa etária, ainda há coberturas abaixo de 90% com primeira dose em quatro estados: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Os índices ficam ainda menores à medida que se reduz a idade para análise.

Entre o grupo de 60 a 69 anos, por exemplo, apenas 68% da população tinha recebido a primeira dose da vacina, e apenas 16%, a segunda dose. Entre 70 a 79 anos, 90% receberam uma dose e 67% completaram a segunda dose.

Profissionais de saúde e indígenas

Entre os trabalhadores de saúde, que também foram priorizados na imunização, a cobertura vacinal é baixa e alcançou apenas 59% no caso das duas doses até o dia 11.

Nem mesmo entre os indígenas aldeados, inclusos na primeira leva do plano, a taxa chega perto do esperado, ficando em 53%.

A vacinação também está muito lenta entre pessoas com comorbidades abaixo de 60 anos. “O número de vacinados com uma dose neste grupo passou de 230.742 pessoas, em 4 de maio, para 628.603 pessoas em 12 de maio; e vacinados com duas doses, de 32.556 pessoas para 50.479 pessoas”, aponta o estudo.

Improvisos e pulverização de doses

Os pesquisadores alertam que os números baixo deixam claro que é preciso acelerar a vacinação por meio da aquisição mais rápida de imunizantes. Além disso, eles cobram critérios mais bem definidos de população a ser vacinada prioritariamente.

“A baixa disponibilidade de vacinas convive com incertezas e revisões constantes de quantitativos, para menos, com a ausência de metas claras no plano de imunização e com critérios inadequados de priorização. Foi, assim, estabelecido um padrão de improvisos e pulverização da distribuição de doses, transferindo para gestores locais e serviços de saúde a decisão sobre quem e quando vacinar”, afirmam.

Eles alertam ainda que, mesmo no cenário de escassez, “continua sendo acrescentado à demanda potencial para a vacinação um enorme contingente de pessoas que, somadas aos grupos prioritários anteriores ainda por vacinar, requererão uma oferta de vacinas muito superior à disponível”.

É uma ilusão supor que o Brasil avança nas coberturas vacinais somente porque um novo grupo foi convocado, sem que as populações prioritárias anteriores tenham sido efetivamente imunizadas.
Trecho de estudo sobre cobertura de vacinação

Por fim, os pesquisadores afirmam que a dinâmica da vacinação contra a covid-19 “não pode ser orientada apenas por um calendário de sucessão de dias, idades, condições de saúde e profissões”.

“Exige o cumprimento de metas de coberturas para obtenção de níveis de imunidade suficientes para reduzir a mortalidade. Em muitos países, autoridades governamentais divulgam como rotina as metas de cobertura. No Brasil, o indicador vem sendo equivocadamente considerado irrelevante”, dizem.

“Novos grupos estão sendo convocados sem que a população prioritária tenha sido completamente imunizado. Percebe-se que os idosos estão sendo deixado para trás”, completa Mário Scheffer.

Administrador

Fonte Segura: Central de Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *